sexta-feira, 2 de novembro de 2007

DESEdukators

Assisti agora à tarde o filme Edukators (Weingartner, 2004) e não gostei do que vi. Confesso que fiquei surpreso com a visão viesada, quase panfletária do filme, de modo a ficar esperando a cada instante por uma reviravolta. Trocando em miúdos, sua mensagem pode ser resumida na seguinte frase: O mundo está uma porcaria e é tudo culpa do sistema capitalista. Em uma leitura mais específica, poderíamos dizer que os ricos, são todos filhos de mães que freqüentam a zona. O pior de tudo é que eles tentam passar a impressão de que isso é verdade. Ora, por que aquele rico denunciou os coitados, só porque eles invadiram a sua casa e depois o seqüestraram? Só por isso? Ele processou a moça só porque ela estava dirigindo sem habilitação e em um descuido bateu na traseira do seu carro? Este cara não tem coração!

O ponto alto do filme ocorre quando o personagem de Daniel Brühl, no meio de um debate vagabundo, questiona o empresário (Burghart Klaubner): quantas horas você trabalha por dia? Então ele responde: 14 horas diárias. Então Jule (Julia Jentsch) afirma: no sul da Ásia as pessoas trabalham bem mais do que 14 horas e ganham muito menos do que você. Logo, surge uma pergunta natural: as pessoas são todas iguais, ou possuem nível de produtividade e qualificação diferenciadas? Acho que todos já se cansaram de ouvir a frase: “menos de 2% das pessoas concentram parcela significativa da renda mundial”. Porém, quem fala isso já se deu o trabalho de ler o que estes 2% fizeram para alcançar esta fatia do bolo?

Entretanto, para fechar o festival de clichês o advogado diz: “todos temos as mesmas oportunidades!” Isso não é verdade, mas isso será o tema de um tópico futuro. Porém, a crítica não virá de onde os roteiristas do filme querem. Enfim, se querem perder 2 horas de sua vida vendo isso, fiquem à vontade. E mais, recomendo que assistam Lamarca, Diários de Motocicleta...

P.S.: A única coisa bacana é ouvir a versão de "Hallelujah" do Leonard Cohen.

Um comentário:

Chanis disse...

Existe uma ingenuidade até divertida neste filme. Nitidamente, ele é inspirado no La Chinoise do Jean Luc Godard. O filme não é quase, mas totalmente panfletário. Pelo menos, La Chinoise é uma comédia de costumes mostrando maoistas dentro dum apartamento - o filme é de 67 - e descobrindo que toda a questão discutida é inviável salvo se a mocinha passar a perna nos demais habitantes do imóvel. Em Edukators é uma ladainha das boas com uma cena genial: o executivo assumindo que já fora marxista quando jovem, mas desistiu depois que começou a trabalhar. Como diria Paulo Francis, creio eu, quem nunca foi marxista quando jovem, não tem coração. É uma mera fase da vida. O problema é o pessoal que não sai da adolescencia e faz da culpa alheia, o cavalo de batalha.