quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Desligado

Me isolarei do mundo nos próximos dois dias. Quem quiser me encontrar, mande um sinal de fumaça para o litoral norte (vejam meu refúgio AQUI.)

Boas festas para todos.

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Daqui não saio, daqui niguém me tira

Podem me chamar de louco, mas li um "artigo" do Carlos Lessa em pleno final de ano. Dá azar, eu sei, mas meu santo é forte.

De uma forma arrebatadora, Carlos Lessa profetiza:

O Nordeste será a Califórnia brasileira.

Poxa, estou muito bem. Em 2009 sairei de Natal rumo a João Pessoa. Porém, me sinto migrando de Los Angeles para San Diego. Coisa fina!

Uma afirmação como a que reproduzirei abaixo me deixa emocionado:

“Essa situação precisa ser revertida o mais rápido possível, porque a implantação da Califórnia brasileira tem de ser marcada não somente pela redenção econômica do Nordeste, mas também pela melhor qualidade de vida de seu povo”


Lessa, eu sou seu fã!!! (Se tiverem estômago, leiam AQUI.)

Agora eu pergunto, de forma provocativa, ele já leu isso:

Existe um Problema de Desigualdade Regional no Brasil? (Samuel Pessoa)

Detalhe, divulgo, novamente, o grandioso blog do Desemprego Zero (inutilidade pública pura).

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

A retrospectiva acadêmica

O ano de 2008 foi proveitoso. Trabalhei bastante nos dez meses iniciais, com isso pude relaxar bem em seu final. Tive 6 papers aceitos para publicação em revistas nacionais. Estudos Econômicos, Economia Aplicada, Análise Econômica, Revista de Economia do Nordeste (dois) e na Revista de Economia e Desenvolvimento.

Além disso, consegui minha primeira aceitação internacional na Review of Income and Wealth (qualis A). Submeti muita coisa: atualmente tenho 01 trabalho submetido na Revista Brasileira de Economia, 01 na Economic Letters, 01 na Brazilian Review of Econometrics e 01 na Economia Aplicada.

Tive artigos aceitos em todos os grandes congressos de economia. No mais, recebi o prêmio Banco do Nordeste de Economia. Participei da Banca de seleção do 30º Prêmio BNDES de Economia. Fiz parte da seleção de artigos da ANPEC Nordeste (Mesa: Economia do Trabalho, Economia Social e Demografia). Fui parecerista para a Applied Economic Letters (2 papers), Estudos Econômicos (2 papers) e Análise Econômica.

Ministrei 6 disciplinas na UFRN. Consegui uma bolsa de PIBIC, duas de monitoria. Desenvolvi um projeto do Edital Universal do CNPq e um da Pró-reitoria de pesquisa. Organizei e ministrei várias palestras no Grupo de Estudos em Economia Aplicada. Atualmente tenho 2 orientandos de monografia.

No final do ano consegui uma transferência para a UFPB, onde pretendo desenvolver meu trabalho em 2009.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

O prazer da descoberta

Há muito tempo que não me sentia tão estimulado com um livro “técnico”. Nos últimos dois dias não consegui largar o Nonlinear Time Series: Nonparametric and Parametric Methods, do Jianqing Fan e Qiwei Yao. Estudar por prazer é outra coisa ...

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Retomando

Estou retomando a rotina um pouco antes da parada de final de ano. Começo hoje a revisão de um paper, ainda incompleto, sobre desigualdades salariais intra e entre grupos. Ao mesmo tempo inicio minha qualificação em estatística/econometria bayesiana. O "Applied Bayesian Modelling" do Peter Congdon será uma boa companhia.

domingo, 14 de dezembro de 2008

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Suicídio no Brasil e Regiões


Li algo sobre Émile Durkheim no início da minha graduação em economia. Contudo, a obra que mais me chamou a atenção foi "O suicídio".

No livro Durkheim aponta uma série de variáveis explicativas para a prática do ato. Por exemplo:

* taxas de suicídio são maiores entre os viúvos, solteiros e divorciados do que entre os casados;

* são maiores entre pessoas que não têm filhos;

* são maiores entre protestantes que entre católicos.

Pois bem, conversando com o André Marques durante o almoço, ele alertou para o grande número de suicídios no Sul do Brasil. Fui verificar no IPEADATA e encontrei essas informações. Tratam-se das taxas de suicídios por 100.000 habitantes. Nota-se que: o Norte e o Nordeste apresentam as menores taxas; b) o Sul apesar do declínio nos últimos anos, continua liderando as demais regiões; c) O centro-Oeste vem apresentando um aumento substancial no índice e; d) a região Sudeste apresenta uma certa estabilidade em um patamar intermediário.

A pergunta é: o que explica essa diferença regional?

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Imperdível

Imperdível!!!!

Franklin Martins e Luis Nassif, entre outros, discutem a "Mídia e o poder". O IPEA dando sua contribuição para o desenvolvimento econômico. (Cliquem AQUI.)

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Adolfo

Adolfo Sachsida no Jornal O Globo (Cliquem AQUI.)

Ausência

Não irei para a ANPEC/SBE esse ano. Tou cansado de viajar. O lado ruim é que não encontrarei meus amigos. Entre eles o Laurini, Paulo Jacinto e a Mércia. Enfim, ano que vem tem mais.

sábado, 6 de dezembro de 2008

Meu bem-estar

Quem vai compensar minha perda de bem-estar? Explico, Natal está respirando uma coisa chamada Carnatal. Resultado: ruas engarrafadas, sujeira e pouca gente pra organizar a bagunça.

Não tem graça nenhuma ficar 20 minutos parado no trânsito, só para fazer um retorno de 20 metros.

O Brasil é isso, poucos capitalizam os ganhos e muitos socializam as perdas.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

IPEA de novo (evidência 10001)

Você é professor de economia? Está vinculado a uma pós-graduação de universidade pública? Sabe tudo sobre Gilberto Freyre, Ruy Barbosa, Celso Furtado e Caio Prado Júnior?

Então seus problemas acabaram: o IPEA te dará uma bolsa de 3 mil Reais mensais durante um ano.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Paulinho do BNDES

O Deputado Paulinho do BNDES, ops... da Força Sindical foi absolvido no Conselho de Ética da Câmara. (Vejam AQUI.)

Votaram pela absolvição do Paulinho:

Efraim Filho (DEM-PB) - Filho do Efrain Morais, senador pela Paraíba envolvido em escândalos no senado;
Rômulo Gouveia (PSDB-PB) - Olha a PB aí gente!!!;
Fernando Melo (PT-AC);
Leonardo Monteiro (PT-MG);
Sandes Júnior (PP-GO);
Wladimir Costa (PMDB-PA);
Dagoberto (PDT-MS);
José Abelardo Camarinha (PSB-SP);
José Carlos Araújo (PR-BA) e;
Marcelo Ortiz (PV-SP).

Pela cassação:
Paulo Piau (PMDB-MG) - o relator;
Moreira Mendes (PPS-RO);
Professor Ruy Pauletti (PSDB-RS) e;
Solange Amaral (DEM-RJ).

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Grandes Notícias


Uma Emenda do senador Aloizio Mercadante, destina R$ 3,9 milhões para obras no Instituto de Economia da Unicamp. (Leiam AQUI.)

Em seu ápice, a matéria destaca que

[Aloizio Mercadante colocou o seu] gabinete do Senado à disposição da instituição, para que seja utilizado como uma espécie “embaixada” desta em Brasília. “Assim, a Unicamp poderá estar mais próxima de órgãos federais responsáveis pela gestão de programas e recursos que interessam à Universidade”.


Ora, isso não está sendo feito? Quem dá pitaco na política econômica do governo? No mais, dado que não precisamos mais enviar nossos candidatos a doutores em economia para o exterior, pois lá eles só aprenderão os "modelos que faliram o mundo" (ver o link do presidente da CAPES AQUI.), o IE da Unicamp precisará mesmo de ampliação, pois aparecerão muitos americanos, ingleses, chineses, coreanos... querendo aprender a teoria que está salvando o mundo.

Detalhe, o Aloizio afirmou:

Devo muito à Unicamp. Aqui, fiz meu mestrado e doutorado e fui professor.

Pelo que consta, ele não possui doutorado. Procurei na plataforma Lattes e nada. O site da instituição diz que ele é mestre (vejam a foto). Enfim, acho que parte da grana servirá pra atualizar as informações do site do IE...

Grande irmão

Lula decide aumentar limite de saque do FGTS para atingidos por calamidades.

É muito interessante você pedir autorização para sacar o que é seu.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Mais um

O artigo que fiz em parceria com o Cleiton Roberto foi aceito, de forma plena, na Revista Análise Econômica, períodico B nacional.

Recebemos o seguinte comunicado:

CONVERGÊNCIA DE RENDA PER CAPITA ENTRE OS MUNICÍPIOS NORDESTINOS: UMA ANÁLISE ROBUSTA

Prezados autores,

com base no parecer abaixo, a Comissão Editorial da RAE
aprovou o artigo de vocês para ser publicado em um futuro próximo.
Informamos, ainda, que, devido ao excesso de artigos aprovados, a
publicação está prevista para a edição de março de 2010.
Atenciosamente,

Fernando Ferrari Filho, Editor.


Gostaria de destacar dois pontos. Primeiro, agradecer ao Márcio Laurini dado que o paper é uma reprodução das idéias do seu artigo "LAURINI, M. P. . A note on the use of quantile regression in beta convergence analysis. Economics Bulletin, v. 3, p. 1-8, 2007.". Além do mais, o Márcio nos auxiliou em uma parte computacional do paper.

O segundo ponto, refere-se ao esforço e superação do Cleiton Roberto. Aluno de meu primeiro curso de econometria na gradução, o Cleiton aproximou-se querendo desenvolver sua monografia. Esse ano ele tornou-se bolsista PIBIC. Logo, o trabalho é fruto da dedicação de um aluno do 3º ano do curso de graduação em economia da UFRN, uma verdadeira lição para os mestres.

No mais, o "Camarada" Cleiton tornou-se um grande amigo. Ano que vem ele estará, certamente, nos quadros do mestrado de alguma boa instituição.

Lixo pedagógico

Em um post imperdível, o Nemerson Lavoura fala sobre o ensino nos cursos de pedagogia e seus reflexos. Leiam AQUI.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Capes, IPEA ...

A entrevista do Presidente da CAPES, Jorge Almeida Guimarães, é de dar um frio na espinha (Leia AQUI.). Destaco o comentário relacionado à formação de doutores em economia no exterior:

Por exemplo, neste quadro que estamos vivendo hoje, a pergunta em relação à formação de doutores na área economia é: nós vamos continuar mandando alunos para formar doutores num modelo que faliu o mundo? Então nós temos que perguntar a nossa área de economia o que eles vão nos dizer agora. Nós vamos mandar fazer aonde? Vai ser no mesmo modelo? Este modelo mostrou-se totalmente anticientífico, para dizer o mínimo.


O professor Jorge Almeida Guimarães é um grande pesquisador na área de biomédicas (Lattes AQUI.), porém, sabe muito pouco sobre economia. Assim como muitos não emitem opiniões públicas sobre enzimas proteolíticas, peptídeos biologicamente ativos, proteínas tóxicas - áreas de atuação do Jorge(a não ser nas mesas dos bares, se é que isso é possível), ele deveria pensar mais antes de emitir uma declaração dessas. Ou, no mínimo, não considerar os que os economistas ligados ao governo falam.

Essa declaração serve de aviso para fiscalizarmos mais as nossas instituições. O IPEA é o caso clássico. Recentemente o instituto lançou um edital apenas para os Filiados na SEP (Sociedade de Economia Política). Bolsas para os pesquisadores na área de Desenvolvimento Brasileiro na Perspectiva da Economia Política (vejam AQUI.)

tem também o Programa de Pesquisa para o Desenvolvimento Nacional, concedendo bolsas relacionadas ao tema (lista dos ganhadores AQUI.).

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Equipe econômica - Obama

Obama apresenta sua equipe econômica. Timothy Geithner, secretário do Tesouro. Lawrence H. Summers, diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca e; Christina Romer, chefe do Conselho de Consultores Econômicos da Casa Branca.

Boliche


Encontrei meus velhos e bons amigos no final de semana. Para comemorar, entre outras coisas, uma partida de boliche. O Zé foi o grande campeão da noite.

Retornando

Retomo as atividades depois de me afastar um pouco das pesquisas. Montei um banco de dados com os suplementos sociais da PNAD. A idéia é captar a evolução da mobilidade educacional brasileira (1976-1996). Em breve postarei os resultados.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Dinheiro no lixo

Hoje assistiremos mais uma aula de como não se deve gastar o dinheiro público. O estádio Bezerrão, no Gama-DF, foi reformado para a Copa do Mundo de 2014. Foram gastos R$ 51 milhões na reforma. Recursos do Governo do DF. Detalhe: ele, no máximo, será um campo de treino.

Ou seja, temos o campo de treino mais caro do mundo.

O dono da CBF, Ricardo Teixeira, afirma aos sete ventos que as reformas necessárias para a Copa serão, em sua maioria, da iniciativa privada. Começamos bem!

O PAN do Rio, por exemplo, contava com dois grandes patrocinadores "privados": A Caixa Econômica Federal e os Correios.

Economia do divórcio

As variáveis econômicas interferem no divórcio? O paper abaixo mostra que sim.

Fatores Econômicos e Incidência de Divórcios: Evidências
com Dados Agregados Brasileiros

Mauricio Canêdo-Pinheiro
Luiz Renato Lima
Rodrigo Leandro de Moura


Em resumo, destaca-se que o aumento na taxa de divórcios nos últimos anos é em grande medida resultado da erosão dos ganhos obtidos com a especialização dentro do casamento, resultado da diminuição da diferença entre a renda de
homens e mulheres, e não da maior independência financeira destas últimas.

No mais, o ambiente urbano e metropolitano favorece a dissolução dos matrimônios, bem como o desemprego masculino e a maior educação da mulher. Por outro lado, filhos pequenos e a divisão de trabalho entre os cônjuges tendem a estabilizar a relação conjugal.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Crise


Robert Lucas fala sobre a crise:

Robert E. Lucas, 71: In a financial crisis things happen fast, and the housing boom and the subprime mortgages are already ancient history.

The responsibility of the Federal Reserve in this situation is to provide more cash reserves, and in that sense they are doing their job. Total reserves were $47 billion on Sept. 10, $180 billion on Oct. 8 and $329 billion on Oct. 22. This is good central banking...


(Texto completo AQUI.)

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Belo congresso

Taí um congresso que eu gostaria de participar


Physics Applied to Economics and Social Sciences

O Encontro acontecerá em Porto Alegre. Um dos organizadores é o professor J. Roberto Iglesias.

Keynes

Frase do dia:

A sound banker, alas! Is not one who foresees danger and avoids it, but one who, when he is ruined, is ruined in a conventional and orthodox way along with his fellows, so that no one can really blame him.

John Maynard Keynes, “The Consequences to the Banks
of the Collapse in Money Values,” 1931


Dica do Ronald.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Classificados


Vi no blog do Ricardo Pereira e resolvi entrar na campanha (mentira, recebi uma propina). O fato é que Seu Antônio Modesto pretende vender seu carro. Vejam a propaganda:

VENDE-CE
EÇA COIZA
III 1.000 PILA
SI PUDER, LIGUE: 9910-8151

(Vide foto). (Link aqui.)

Faz um 21

Denuncia com muito humor. Recomendo o blog Coturno Noturno (link na barra lateral). Vejam o resultado da bela enquete do Coronel:

Perguntamos aos leitores "Por que diabos o Obama ainda não ligou para o Lula?" Eis as respostas:

Para 15% dos eleitores, é porque eles têm uma rusga que vem lá de Harvard. Já para 27%, Obama tem medo de ser grampeado pela ABIN. Apenas 4% acham que Obama já ligou, mas Lula modestamente não quis divulgar.E para 54%, Barack Obama já tentou ligar para Lula, mas na Casa Rosada ninguém sabia quem era.

Eficiência plena

Durante a Anpec Nordeste necessitei do número de meu PIS/PASEP. Como eu estava em Fortaleza sem minha documentação, realizei uma solicitação eletrônica no site da UFRN (depois de ligar para diversos ramais em vão).

Ao abrir meu email agora vejo isso:

Solicitação Eletrônica de número 58: Gostaria de receber o número do meu pasep.

Resposta: 1XXXXXXXXXXXX

Solicitação respondida em 11/11/2008


Dado que o pedido foi feito no dia 18 de julho, temos uns poucos dias de atraso.

Ipea de novo

Sábias palavras de um PESQUISADOR do IPEA:

O novo concurso do IPEA é um erro. É um passo importante para o fim desse outrora grandioso instituto. O IPEA precisa de pesquisadores, deixemos os bons alunos de graduação para os outros órgãos do governo.


Veja o post completo aqui.

domingo, 9 de novembro de 2008

Parecer favorável

Recebi um parecer favorável da Review of Income and Wealth (periódico A internacional). Os dois referees foram precisos em suas observações e deram muitas contribuições para o trabalho. Uma versão preliminar do paper pode ser encontrada no link abaixo (com algumas falhas, segundo os pareceristas):

Estimation of Opportunity Inequality in Brazil using Nonparametric Local Logistic Regression


Eu e o Flávio Ziegelmann teremos muito trabalho pela frente, mas, dado o teor dos pareceres, será um esforço construtivo e estimulante.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Cony e Xexéu

Nos seus comentários de hoje na CBN, Carlos Heitor Cony e Arthur Xexeu falaram uma pá de bobagens. Coisas do tipo:

"O que ele [Obama] devia fazer mesmo era mudar o sistema eleitoral. (Xexéu)"

"No fundo, no fundo é uma eleição indireta. (Cony)"

"O colégio eleitoral é quem escolhe o presidente ... (Cony)"

" ..assim como o colégio que elegeu o Tancredo [Neves] (Cony)."

"O voto de uns vale mais do que o de outros. (Xexéu)"

"Cada estado tem um sistema diferente (Cony)"

Esses caras estão acostumados a fazer tudo a partir da canetada, via medida provisória. É muito difícil pra esse tipo de gente entender o que é liberdade individual.

Um verdadeiro festival de besteiras, salvando-se apenas o Heródoto Barbeiro no meio disso tudo (Escutem aqui.)

Senado discute fim de uso obrigatório de terno

Preparem-se, vem aí o "Auxílio Short e Camiseta".

terça-feira, 4 de novembro de 2008

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Compras

Comprei alguns filmes nesse final de semana. 1) Amadeus, Milos Forman (1984); 2) 2001: A Space Odyssey, Stanley Kubrick, 1968; 3) The Shawshank Redemption, Frank Darabont; 4) The Bourne Supremacy, Paul Greengrass, 2004 e; 5) The Island, Michael Bay, 2005.

Lewis Hamilton


O blog está em festa (tanto que só consegui postar hoje). Lewis Hamilton campeão Mundial de F1. Ele correu como um Alonso, pensando apenas no título. O Hamilton é muito agressivo e já perdeu muitos pontos por conta disso.

Ontem ele deu uma aula de frieza. Deixou o Sebastian Vettel passar faltando duas voltas, pois defender a posição poderia ter custado a corrida. Todos imaginam que ele ganhou na última curva, devido a um golpe de sorte. Não foi isso! Ele já sabia que o Timo Glock estava quase parando e que ele o ultrapassaria nos instantes finais. (Vejam aqui.)

Um dos melhores campeonatos dos últimos tempos.

sábado, 1 de novembro de 2008

Dilma e a tortura (de novo)

Concordo com a Dilma Rousseff quando ela afirma que "os crimes de tortura são imprescritíveis". Lógico que ela se refere à época da ditadura. (Leiam aqui.)

Contudo, outros crimes também devem ser encarados da mesma forma. A própria ministra, como já destaquei aqui, cometeu os seus. (A mancada do ano e a bandida que virou santa.)

A Dilma foi um terrorista que participou da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares, a VAR-Palmares, um dos principais grupos armados da década de 60.

Se os militares devem ser julgados, os terroristas e guerrilheiros também devem.

Copa do mundo de 2014

A primeira manifestação positiva em relação a copa do mundo de 2014. Leiam aqui.

Dia das bruxas nos EUA


Boa piada no blog do Mankiw. Dica do De Gustibus.

Moreira


O disco do final de semana será: Moreira da Silva, O último malandro de 1959.

Aproveito para divulgar um belo blog sobre música brasileira. O Loronix.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Ronald Aylmer Fisher


Recebi um marca-livros junto com o Stata Journal desse mês. Nele, tenho um pequeno resumo da vida de Ronald Aylmer Fisher (1890-1962).

Estudou matemática em Cambridge. Trabalhou como estatístico na Rothamsted Experimental Station (1919-1933). Foi professor da University College london (1933-1943) e de Cambridge (1943-1957). Desenvolveu seus estudos nas áreas de estatística e genética. Destacando-se suas contribuições para os campos da inferência, teoria da distribuição e de desenho de experimentos.


Mais sobre ele? Clique aqui.

Reorganizando

Todos nós passamos por um período de turbulência. É o bom e velho ciclo. De repente as coisas deixam de dar certo. As estimações ficam ruins, as idéias somem e a casa vira uma bagunça. Estou saindo do vale nesse momento.

Arrumar os livros que estão espalhados pela casa. Este será o começo de tudo.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

F1 em SP


Por favor, alguém tire o Oscar Niemeyer de circulação (matéria aqui). Olhem o troféu que ele desenhou para o grande prêmio do Brasil.

Poxa, poderiam fazer uma coisa melhor para o Hamilton levantar no domingo (não é uma provocação Cibele).

Belo comentário

Belo post do Homo Econometricum (Pedro Sant'Anna). Reproduzo na íntegra:

Parece até piada de português...

"O sistema financeiro tem obrigação de ganhar o seu dinheiro em coisas que gerarão empregos, produtos, riqueza. Não podemos permitir que o sistema financeiro mundial brinque com a sociedade. Não podemos admitir que alguém fique rico apenas trocando papéis, e poucas vezes se gerou um paletó, uma bota e um alfinete".

Olha o presidente aí. Isso explica porque o Brasil é uma selva!!!

A ignorância predomina. Foi esquecido que um sistema financeiro desenvolvido gera liquidez para a economia. Se tenho um dinheiro e não quero consumir agora, e alguém precisa de dinheiro para investir, consumir, ou dar para a vovó, mas não o têm, por que não devo comprar "papéis" desse indivíduo em troca de promessas de uma taxa de juros?!

Se depois alguém quiser comprar esse título de mim por um valor maior do que eu julgo valer, por que não devo vender? Onde está a coisa ilícita aqui?! Se as trocas foram voluntárias, não tem nada de errado nisso!

Na verdade, não podemos é deixar que alguém fique rico apenas mamando na teta do Estado, desviando verbas, sem nunca ter feito alguma coisa útil para o país. Isso sim é um absurdo!

Divulgando

IV Encontro de Pensadores Liberais

Reserva de mercado

Reserva de mercado:

Concurso no Ipea

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Amigo Punk

Fui na Osvaldo Aranha algumas vezes. A tal Lancheria do Parque é "o bicho". Ta certo que a noite suas calçadas viram point para a venda de maconha (detalhe durante o dia o Parque da Redenção é ponto de venda de maconha). Ia sempre sozinho, alguns shows no bar Ocidente, eu era o mais underground de todos, pois não usava drogas, só tomava minhas polares (a melhor é de lá). Graforreia

Vi o Frank Jorge algumas vezes. Não sei a razão, mas lembrei dessas paradas hoje. Então resolvi escrever. Recomendação a quem for a Porto Alegre: tome algumas na região da Redenção e espere a lotação sentado no meio fio às 5:30 da manhã. O frio a essa hora é muito bom!

Fiquem com "Amigo Punk" da Graforreia Xilarmonica. Ela conta um pouco da história que acabo de falar.

Entrevista com o Cláudio Shikida

Bela entrevista do Cláudio Shikida (cliquem aqui). Serenidade e ponderação aliadas ao conhecimento, resultam em idéias fortes e envolventes. Parabéns!

Descaso

Certas coisas são muito chatas, entre elas a falta de atenção e profissionalismo. Enviei um paper para a Revista Brasileira de Economia há um ano e dois meses. Ele ficou sob responsabilidade do editor Ricardo Cavalcanti. Pois bem, nesse período escrevi para a secretaria umas três vezes, para o Ricardo uma. Nunca obtive uma resposta decente.

Aí vocês perguntam: por que você escreveu, não é normal demorar um pouco? Respondo: em algumas revistas é normal o período de um ou dois anos. Contudo, decorridos seis meses do envio, o paper sequer havia sido distribuído para os pareceristas anônimos. Isso não é normal.

Enfim, enviei mais um email hoje.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Brasileiro come mais e melhor


O presidento Molusco falou: os brasileiros estão comendo mais. Esta foto é uma comprovação empírica. O cidadão da foto, conhecido como Severino, trocou o velho cuzcuz com leite por gorduros X's tudos no jantar.

Detalhe: a foto foi tirada em Itaporanga, interior da Paraíba. O sol ameno denuncia: ela foi tirada de madrugada.

O fim dos tempos


No passado distante jovens encontravam-se para beber essas coisas. Onde esse mundo vai parar?

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Idéia na net

Uma semana sem aulas na UFRN. Não existe nada melhor do que isso. Nesse tempo eu pensei em adiantar um projeto: pretendo estimar a mobilidade intergeracional usando vários anos da PNAD. Para isso abandono a idéia do two-sample instrumental variable (TSIV), desenvolvido por Angrist & Krueger [1992, The effect of age at school entry on educational attainment: an application of instrumental variables with moments from two samples. Journal of American Statistical Association, 87:238-336].

Essa técnica foi aplicada por Ferreira & Veloso [2006, Intergenerational mobility of wages in Brazil. Brazilian Review of Econometrics, 26:181-211]. Pretendo estimar várias regressões cross-sections usando dados de 2001 a 2006 (PNAD's). Qual a relevância de minha abordagem? Vou controlar as inferências via sample selection. Dois vieses serão considerados: a) pessoas desempregadas (Ferreira & Veloso desconsideram renda inferior ao log de 0.15, por isso pessoas com rendas baixas ou iguais a zero são excluídas da estimação); b) filhos que não moram mais com os pais (problema específico de meu banco de dados).

Poxa, abri a idéia na net, será que alguém vai "roubá-la"? Na boa, não me importo! Só alerto para uma coisa: caso usem sample selection considerem a complexidade das interações de independência entre os resíduos e as variáveis. O Angrist [1997, Conditional independence in sample selection models, Economics Letters, 54,103-112] será uma boa referência.

Otimização

Temos um exemplo de otimização do consumo (renda) intertemporal:

PREFEITO DE QUEIMADAS VAI DOAR SALÁRIO AOS POBRES

Ele sabe otimizar.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Bela Ferenc Dezsõ Blaskó

Dia da poesia? Que nada, a data de hoje é relevante pois no dia 20 de outubro de 1882 nascia Bela Ferenc Dezsõ Blaskó, ou melhor Béla Lugosi. Béla nasceu no que hoje é a Hungria. Ele ficou imortalizado por interpretar Drácula [Dracula (1931), Tod Browning].

Notem o sotaque dele nesta cena. Detalhe, ele soletrava as palavras porque ainda não sabia falar inglês e isso deu mais força ao personagem.

Para quem gosta

Para quem tem interesse em pesquisas relacionadas à distriuição de renda a página de working papers do ISER (Institute for Social & Economic Research) é uma boa dica (cliquem aqui).

Destaco os estudos do Stephen Jenkins.

sábado, 18 de outubro de 2008

Aqui, Jazz


O disco da noite foi uma recomendação do Cristiano (de blog novo). Escuto The Big 3, Milt Jackson com Joe Pass e Ray Brown.

Um belo som para fechar a noite e entrar na madrugada esperando a F1.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Só podia ser como foi

Grocho Marx disse:

Inteligência Militar é uma contradição em termos


De fato, depois de várias burradas o sequestro de Santo André só poderia terminar como terminou. Se já não bastasse devolver uma refém ao sequestrador, entre outras coisas, a divulgação das informações foram deprimentes.

A assessoria de imprensa do Palácio dos Bandeirantes chegou a divulgar no início da noite que Eloa havia morrido. Mas, em seguida, a informação foi desmentida pela própria assessoria, já que Eloa foi reanimada. A assesoria pediu desculpas à família da jovem pelo erro.


Ainda vai rolar muita coisa, mas a polícia brasileira me dá medo.

Solução Russa

Só tenho certeza de uma coisa: o Vladimir Putin já teria colocado um ponto final no sequestro de Santo André.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Mini-curso

Estou terminando de montar um mini-curso de econometria aplicada. Os tópicos são:

01 - Modelos não- e semi-paramétricos;
02 - Regressão quantílica (linear e não-linear);
03 - Modelos de Heckman (sample selection);
04 - Dados em painel;
05 - Medidas de desigualdade, pobreza e bem-estar.


O curso será ministrado no mestrado em economia da UFPB na próxima semana. Todos os tópicos contarão com aplicações empíricas usando o software R.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Com a palavra o L. Nassif

O Nassif falou:

"O Prêmio Nobel é de Paul Krugman, por suas pesquisas sobre o comércio internacional. E também pelo extraordinário bom senso e coragem de se antecipar a todos nas críticas a Alan Greenspan."

Bem, acredito que a academia esqueceu de citar a segunda parte, pois no site tem apenas:

"For his analysis of trade patterns and location of economic activity"

Mas a academia é meio desatenta, pois o próprio Nassif deveria levar o seu prêmio, veja o que ele fala:

A propósito, lembro-me, logo depois do Real, de ter escrito um artigo mostrando que, após uma decisão de abertura econômica, leva um tempo para os países aumentarem as importações. Depois de uma pausa, dependendo do nível da abertura, haveria uma enxurrada.

O então Ministro do Planejamento José Serra me telefonou perguntando se estava acompanhando as pesquisas de Krugman em Harvard. Elas já chamavam a atenção do mundo acadêmico. Disse-lhe que não tinha a menor idéia sobre elas. Então, como tinha escrito aquele artigo?


Ora, desde já faço minha aposta para a premiação do ano que vem. É Nassif neles, agora vai!!!

Ausência, Nobel ...

O blog anda meio abandonado. O problema é que eu perdi milhões nessa crise financeira internacional e ainda estou me recuperando do abalo. Acho que não poderei viajar para Dubai esse ano, mas tudo bem ...

Estou escrevendo para dar uma satisfação e para manifestar minha insatisfação com a não premiação do Sargent. Apostei todas as minhas fichas no cara. Para mim, ele e o L. Hansen mereciam. O Sims nem tanto.

Contudo, a escolha do Krugman não foi de todo ruim. Apesar de gerar resultados ambíguos. O pessoal do UOL disse que ele era um crítico da economia neoclássica (seja lá o que isso signifique. Lembrando: ele também critica o Bush! Que coisa mais interessante, não acham?), já o Shikida propôs uma manchete alternativa:

Solução neoclássica para retornos crescentes de escala ganha o Nobel

Como sempre, prefiro o De Gustibus

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

O retorno da educação no Brasil

O portal G1 acaba de divulgar a seguinte notícia:

Brasileiro ganha 15% a mais a cada ano de estudo, diz pesquisa da FGV

E mais,

A cada ano estudado, o brasileiro ganha 15% a mais de salário. Essa é a conclusão da pesquisa Você e o Mercado de Trabalho, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), divulgada nesta quinta-feira (9) no Rio de Janeiro, com base nos dados da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do IBGE.

Os números mudam relativamente dependendo da etapa escolar. De acordo com o pesquisador Marcelo Neri, uma pessoa que nunca estudou tem, em média, uma taxa de ocupação no mercado de trabalho de 59%. Os dados apontam para 90% para pessoas com 18 anos de estudo, que inclui trabalhadores com mestrado e doutorado.


Não vi a pesquisa do Marcelo, não sei qual o método empregado, nem a robustez de seus resultados. Contudo, no que tange o retorno da escolaridade ele não traz muita novidade. No início da década de 1990 Lam e Schoeni (1994) [Journal of Political Economy, v. 101, 1993] calcularam um retorno da educação em torno de 0.14, utilizando variáveis instrumentais. Isso para os dados da PNAD de 1982.

Usando dados de 1992 a 1999 (cross e pooling) e o método de Heckman (entre outros), Sachsida, Loureiro e Mendonça (2004) [Revista Brasileira de Economia, 58(2):249-265] chegaram a um parâmetro médio em torno de 0.16 (difícil sintetizar tudo em um só parâmetro, dado o grande exercício metodológico dos autores). Eles ainda concluíram que os retornos em escolaridade parecem variar com o nível de escolaridade do indivíduo.

Em um estudo em andamento, utilizando uma abordagem quantílica robusta frente a má especificação da conditional quantile function (CQF), Eu, Luciano Sampaio e Paulo Jacinto chegamos a resultados próximos aos 0.15 do Marcelo Neri.

Enfim, embora a mensagem do texto jornalístico seja correta, a literatura especializada já tinha (e continua) estabelecido(cendo) esse parâmetro.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Pan do Rio

Falamos pouco sobre isso, mas o ministério público divulgou um relatório parcial dos gastos do Pan do Rio. Houve um superfaturamento médio de 800%.

Contudo, em se tratando de Brasil, não é novidade. Ou melhor, nós já sabíamos disso. Veja o Alerta do Mário Magalhães na Folha de SP, isso no início de 2007:

Tape o nariz; o Pan vem aí

RIO DE JANEIRO - Os carnês do IPTU que começam a chegar aos lares cariocas exalam um odor que remete aos pedaços mais imundos da baía de Guanabara e às ondas prateadas de peixes mortos que encantam olhares e afugentam narizes da lagoa Rodrigo de Freitas.

Na capa do carnê, a Prefeitura do Rio escreve: "XV Jogos Pan-Americanos - Este investimento vale ouro para a cidade". Na contracapa, promete: "Ganha a cidade, ganha o turismo, ganha você".

Até agora, você perde.

E, é bom avisar logo, perdem não só os contribuintes locais mas também os do Estado e de todo o país. A conta os une em um imenso buraco cujo fundo se desconhece.

O comportamento dos governos coincide. Em 2003, o "Diário Oficial" do município anunciou que o estádio olímpico custaria R$ 60 milhões (30% a mais em valor atual) e ficaria pronto em 2004. Está em R$ 350 milhões e segue em obras.

A então governadora Rosinha Matheus cravou em 2005: a reforma do Maracanã para o Pan de julho de 2007 sairia por R$ 71 milhões. O orçamento deu um salto, triplo, para R$ 232 milhões.

Ainda no Ministério do Esporte, Agnello Queiroz apalavrou: o Complexo Esportivo de Deodoro exigiria R$ 45 milhões dos cofres federais. Já lhes subtrai R$ 94 milhões.

A gênese do rombo é um projeto que progrediu sem controle social.

Alardearam um legado de benefícios ao Rio; o legado pode ser a dívida. O único desagrado que se vê é o de quem não logra empurrar uma fatura para o colo -federal- alheio. O Ministério Público cala. E o jornalismo, em escala notável, se empenha em cobrar verbas quando os estouros configuram escândalos.

O Pan era uma grande idéia. Como às vezes nas belíssimas baía e lagoa, o que atrapalha é o mau cheiro.


Recentemente o videoblog do Trajano tocou no assunto (clique aqui.)

Pois é, vem aí a Copa do Mundo de 2014 e o projeto Olímpico do Rio.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Retorno

Final de semana agitado, viagem, eleições (Natal deu uma lição ao pessoal do PT), amigos, família ... Agora retorno à vida normal.

Ainda estou em um ritmo lento, mas em breve tudo convergirá para o equilíbrio.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Lembranças da infância


Ele mora em um beco no Brooklyn, Nova York, com mais 5 amigos Felinos. Sim, estou falando do Manda-Chuva. Um desenho pra lá de bacana que estreou em 1961. Aqui no Brasil os episódios contaram com a dublagem do Lima Duarte (Manda-Chuva e Espeto).

Lembranças de uma boa infância.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Blog recomendável

Divulgando o blog:

The Radical Libertarian

Seu lema é:

We reject all forms of government, from dictatorships to democracies. We advocate a free society through Voluntaryism and Market Anarchy. The state is an inferior and unjustified social framework both in practice and principle.

Ou seja, só pode ser muito bom!

Livro Novo


Acabo de comprar "O PAIS DOS PETRALHAS" do Reinaldo Azevedo.

Gosto muito dos textos do Reinaldo.

Uma boa resenha sobre o livro é fornecida pelo Gerald Thomas (cliquem aqui).

Divulgação

A UFRN possui excelentes alunos. Um deles, o Fábio Rodrigo Cavalcanti da Silva, destaca-se não só pelo bom desempenho nas disciplinas, mas pelo interesse em produzir ciência. Recentemente ele participou da Rio Oil & Gas Conference:

UTILIZAÇÃO DE MODELOS REPRESENTATIVOS NA TOMADA DE DECISÃO DO DESENVOLVIMENTO COMPLEMENTAR EM CAMPO OFFSHORE

Parabéns Fábio.

Revisão

Acabei de terminar a revisão do paper da Revista de Economia Aplicada. O co-autor está revisando as respostas para os pareceristas. Foram 24 dias de trabalho duro. Estou pronto para novos pareceres. Só não espero receber nada da RBE. Já faz um ano que submeti um paper e NADA. Escrevi para o editor e NADA. Nem mesmo uma resposta do tipo: "Aguarde, pois entraremos em contato em breve, att ...".

Leitura do dia

Responsibility, talent, and compensation: A second-best analysis

Review of Economic Design, 4, 35-55 (1999).

Walter Bossert (lezwb@unix.ccc.nottingham.ac.uk) (Department of Economics, University of Nottingham, University Park, Nottingham NG7 2RD, UK)

Marc Fleurbaey (fleur@u-cergy.fr) (THEMA, Université de Cergy-Pontoise, 33 Bd du Port, F-95011 Cergy-Pontoise Cedex, France)

Dirk Van de gaer (dvandegaer@may.ei) (Department of Economics, NUI-University of Maynooth, Maynooth, Co. Kildare, Ireland)



This paper examines how the first-best models of compensation based on the agents' talents and responsibilities analyzed in some recent contributions can be extended to a second-best context. A few social criteria are proposed and compared to alternative approaches by Roemer and Van de gaer.


Essa leitura conduz à abordagem do No-Envy Allocation.

P.S.: Esse negócio de NO-ENVY é sério. Eu estou tomando banho de sal grosso.

domingo, 28 de setembro de 2008

GP de Cingapura - F1


O GP de Cingapura foi memorável. A primeira corrida noturna contou com um show de competência de F. Alonso. L. Hamilton chegou em terceiro e abriu sete pontos em relação ao segundo colocado na disputa do mundial. A imagem da corrida foi a de F. Massa puxando a metade dos mecânicos com a mangueira de reabastecimento. Muito engraçado!

O Lewis será campeão e o blog entrará em festa.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Reflexão

Vou transcrever o trecho de uma palestra do Richard Feymann em 1966. O tema? O que é a ciência.

[...] Há dois dias tivemos uma conferência em que decidimos que já não temos de ensinar uma disciplina elementar de mecânica quântica na pós-graduação. Quando era estudante, nem sequer havia uma disciplina de mecânica quântica; era considerado um assunto muito difícil. Quando começei a ensinar, tínhamos uma. Agora ensinamo-la aos alunos de licenciatura [...] Por que é que isso tem sido puxado para baixo?


O fato que essas palavras mostram o avanço no ensino da ciência. A pergunta é: isso vem acontecendo na economia? Os cursos de hoje se parecem com os de ontem? Alguma disciplina elementar da pós-graduação foi trazida para a graduação?

Acredito que poucos exemplos podem ser listados.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Vendo passagens para Cuba

O Reinaldo Azevedo fala sobre os intelectuais da crise (dica do João)

Emir Sader e Luis Fernando Verissmo como analistas econômicos

O post é bem divertido. Contudo, o melhor são so comentários dos leitores. Destaco um:

Reinaldo,
estou mudando para Cuba. Lá é que é um país desenvolvido. Não existe fome, miséria, censura. Emprego de sobra, para todas as matizes. Este sim, é o país dos sonhos, onde todos querem ir e ninguém quer sair.
J.Freire


Acho que Cuba passou no teste do muro sugerido pelo Adolfo.

No mais, precisamos de mais lugares no bote com trajeto Brasil-Cuba, pois, dado o fim do capitalismo, a ilha será um dos poucos lugares seguros. Eu, como um bom comunista, estou vendendo bilhetes na terceira classe, alguém se interessa?

Olhem o destino do seu dinheiro

Da série "para onde vai o dinheiro de nossos impostos"


Bolsa Família sustenta novo voto de cabresto no Nordeste

O Brasil é desigual? Sim! Possui desigualdade de oportunidades? Sim!

Mas quem garante que as pessoas devem ser compensadas por essas desigualdades? Ninguem!

Contudo, essa manchete nos leva a pensar que não se deve.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Para mostrar que vale a pena

Orientei um aluno estrangeiro. Ele defendeu a monografia e desenvolveu um projeto de dissertação baseado em seus resultados. Foi aprovado no mestrado em Portugal. Contudo, ao retornar para seu país envolveu-se em coisas bacanas.

Hoje recebi um email seu:

Ola Professor,

Estou enviando essa mensagem para lhe informar que consegui o emprego nos Ministerio das Finanças. Na Direção Geral de Conjuntura e Previsão. Este emprego surgiu graças a apresentação do trabalho na Universidade. Como as pessoas ligadas ao ministerio das Finanças estavam ali me convidaram. No ministério tem as propostas boas e a gente trabalha com o pessoal do Fundo Monetário Internacional.

Quanto ao mestrado o Ministro me aconselhou a trabalhar um ano, depois, vão conseder a bolsa da IDA, organismo ligado ao Banco Mundial, até pode ser para Canada ou EUA.

Para terminar, gostaria de agradecer pela ajuda que me deste ao longo dos estudos.


Mensagens como essa servem para mostrar que nossos esforços valem a pena. Continuarei com a mesma postura. Se em uma amostra de 150 alunos, 01 entender o espírito da coisa e trilhar pelo caminho certo, já basta! Os outros 149 te odiarão ... Não ligo!

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Leitura do dia

More Equal but Less Mobile? Education Financing and Intergenerational Mobility in Italy and in the United States

Checchi, Daniele
Ichino, Andrea
Rustichini, Aldo

Abstract: A centralised and egalitarian school system reduces the cost of education for poor
families, and so it should reduce income inequality and make intergenerational mobility
easier. In this paper we provide evidence that Italy, compared to the USA, displays less
income inequality, as expected given the type of school system, but also less intergenerational
upward mobility between occupations and between education levels.
We explore some of the reasons which can explain this puzzling result and conclude that
in a world in which family background is important for labor market success, a centralised
and egalitarian tertiary education does not necessarily help poor children and may take
away from them a fundamental tool to prove their talent and to compete with rich children.

Texto

Mais um:

O Impacto da Mobilidade de Renda sobre o Bem-estar
Econômico no Brasil



O texto foi submetido a uma revista nacional.

Críticas são bem-vindas!

Último findi ...

Na última sexta-feira (dia 19) fez um ano da defesa de minha tese. Coincidentemente recebi o Zé e a Nara, testemunhas visuais de minha saga pelo sul. O final de semana foi prá lá de agradável. Praia, conversa fiada restaurantes, cerveja ...

Por esse motivo que “sumi” da net.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Família


Uma família perfeita

Quem paga os juros das minhas contas que chegam atrasadas?

Quem paga os juros das minhas contas que chegam atrasadas? Boa pergunta, com uma única resposta: EU. A Correios e Telégrafos (a estatal mais eficiente do Brasil) é incapaz de entregar uma correspondência no prazo. Resultado, eu pago a conta.

Questionado sobre isso, um dirigente local respondeu que a culpa é do crescimento das compras pela internet (engraçado é que os profetas chegaram a dizer que a internet acabaria com as correspondências). Ou seja, eles são incapazes de atender à demanda.

Aponto duas soluções: a) injetar mais dinheiro público e aumentar a estrutura dessa maravilha estatal. Mais concursos e, com isso, mais gente capacitada atendendo os nossos interesses e; b) abrir o mercado para outras empresas mais eficientes.

A segunda opção não é bem vista pelo atual governo. A propósito, alguém já assistiu a TV Lula ou comprou uma camisinha produzida pelo governo? Ou fazendo uma previsão um passo à frente: alguém assistirá um desses filmes? (vejam aqui.)

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Interior da Paraíba

Vocês acha que os filmes de faroeste do Clint Eastwood são ficção? Então vocês não conhecem o interior da Paraíba. Exagero? Vejam isso.

Estou convidando meus amigos para um tour por lá. Estão a fim? Deixem seus nomes e endereços.

Pra divertir

Esse "diálogo" é digno de nota. O senhor F. questiona o Alexandre Schwartsman:

[...] vc podia tentar explicar a atual crise à luz das teorias ortodoxas paleo-liberais.
Como inserir os argumentos de Modligliani-Miller no momento atual?
As ferramentas ainda são as teorias de assimetria de informação e outros pilares da micro neoclássica?
E na parte macro, o que um Paul Davidson teria a dizer?


O Alex responde:

F:

Acho que é assimetria de informação "all around". Seleção adversa no crédito, moral hazard na originação de hipotecas e na securitização, agravada por falha na fiscalização.

Quanto à parte macro, acho que o Paul Davidson não teria nada a dizer além de papaguear sobre "tempo, incerteza e contratos".

Abs

A


Só um comentário: BRILHANTE!!!

sábado, 13 de setembro de 2008

STATA 10

Acabo de receber o Software STATA 10. Junto com ele, 16 manuais. São as ferramentas para a minha manufatura...

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

ANPEC Nacional

Duas aceitações na ANPEC Nacional:

Distribuição De Capital Humano e Desigualdade de Renda: Mobilidade Intergeracional Educacional e Mobilidade de Renda no Brasil
Autor(es): Erik Alencar de Figueiredo(UFRN);José Luis da Silva Netto Junior(UFRGS)

Efeitos da composição domiciliar e da escala equivalente sobre as medidas de desigualdade de renda e pobreza no Brasil
Autor(es): Jorge Luiz Mariano(UFRN); Erik Alencar Figueiredo(UFRN)

Duas parcerias gratificantes, pois os dois são grandes amigos. Parabéns José e Jorge.

P.S.: Enviei 3 trabalhos, um foi rejeitado. Não mandei nada para a SBE esse ano. Nos últimos dois anos tenho publicado artigos em todas as ANPEC's (Nacional, Nordeste e Sul).

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Leitura do dia

Aderindo à série "leitura do dia" lançada pelo Laurini. Hoje destaco um texto sobre a estimação dos desvios padrões das medidas de desigualdade de renda

Variance Estimation for Measures of Income Inequality and
Polarization -- The Estimating Equations Approach


Milorad S. Kovačević and David A. Binder

The estimating equations technique for variance estimation is demonstrated on a variety of
income inequality and polarization measures when data are obtained in a complex survey.
This method, based on the Taylor linearization, is computationally nonintensive and easy
to implement. Six different measures are considered. An example based on data from the
Canadian Survey of Consumer Finance is given.

A VINGANÇA DOS HETERODOXOS

Enquanto isso, na selva brasileira ... os heterodoxos(???) mandam essa mensagem como sendo um aviso da grande revolução. Ela é longa, mas dá para ler com um certo esforço:

A VINGANÇA DOS HETERODOXOS


Valor Econômico (08/09/2008)

Analistas como Martin Wolff, do “Financial Times”, já registraram, no início do ano, a morte do sonho liberal de um capitalismo global regido pelo livre mercado. Faltava um documento oficial para decretar o óbito. Essa certidão acaba de ser lavrada - pela mais heterodoxa das organizações econômicas multilaterais, a Unctad, sigla em inglês da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento.

Críticas como a da Unctad contra o sonho liberal alimentam-se do socorro desesperado do governo dos EUA a bancos e às instituições hipotecárias Fanny Mae e Freddy Mac; da nascente recessão na Europa que se debate entre combater a inflação ou baixar juros; e da emergência das economia asiáticas fortemente impregnadas pelas digitais do Estado. Os economistas da ONU tiraram do limbo peritos de linha heterodoxa, como o neokeynesiano Nicholas Kaldor, para decretar o que chamam de “fracasso do modelo neoclássico”, predominante no Ocidente.

“Embora a maioria dos economistas concorde que os pressupostos do modelo neoclássico estão longe da realidade, este modelo continua a servir de base para as prescrições de política econômica”, acusa a agência da ONU, no seu recém-lançado Informe de Comércio e Desenvolvimento 2008. O documento combate prescrições do modelo neoclássico que considera baseadas em premissas equivocadas e potencialmente danosas.

Entre as premissas, está a de que os preços são sinais claros do mercado para corrigir distorções de oferta e demanda. A Unctad também combate a idéia de que o investimento para aumentar a produção tem de ser precedido pelo acúmulo de poupança. Contra a teoria tradicional, por exemplo, os países em desenvolvimento com mais investimentos são os que enviam ao exterior mais poupança do que recebem, nota o Informe.

Ao lado de questionamentos teóricos sobre a teoria neoclássica de formação preços, o documento menciona os problemas criados com a influência das expectativas nos mercados financeiro sobre os mercados de mercadorias e a produção real. Os economistas da Unctad não sabem dizer o quanto a especulação influencia a atual alta de preços de mercadorias, mas comentam que a lógica de uma parte substancial dos mercados de futuros e hedge hoje descolou do terreno produtivo e atende a decisões de “diversificação de portfólios de investidores”.

Unctad vê fracasso do modelo neoclássico. Em linguagem um pouco mais simples (só um pouco; nada no mundo atual é simples como se gostaria): ao notarem riscos maiores nos mercados de títulos, ou de ações, por exemplo, uma parte crescente de investidores do mercado financeiro tem diversificado aplicações comprando contratos de mercadorias no mercado futuro. Esses operadores não mudam de posições (comprando contratos ou vendendo os que têm) em função apenas da expectativa de mudança nos preços das mercadorias; só mexem em suas carteiras com base no que acontece nos outros mercados. A alteração no humor de investidores ganha efeito desproporcional no mercado de commodities.

“Em vez de reduzir riscos, os complexos instrumentos financeiros desenvolvidos recentemente têm servido para espalhar o impacto de investimentos arriscados através de continentes, instituições e mercados”, alerta a Unctad. A interpenetração dos mercados financeiro e de mercadorias e a arbitragem com juros e taxas de câmbio provocam movimentos que contrariam o saber convencional: países com grandes déficits nas contas externas no Leste Europeu vêem suas moedas se valorizarem e países com grandes superávits em conta corrente, como Japão e Suíça sofrem desvalorizações. Políticas baseadas nos pressupostos tradicionais podem exacerbar a crise, acreditam os economistas da ONU.

“Seguindo a agenda do Consenso de Washington, que visava ‘obter os preços corretos’, muitos países mantém errados dois dos mais importantes preços - as taxas de câmbio e de juros”, diz a Unctad. “Isso pode explicar por que o Consenso de Washington não se aplica em Washington: os EUA, depois de flertar brevemente com a ortodoxia monetária no começo dos anos 80, voltaram à sintonia fina da taxa de juros e a uma política monetária extraordinariamente complacente nas últimas duas décadas.”

O Informe dá argumentos em defesa do crédito dirigido para investimentos, e cita o BNDES brasileiro como bom exemplo. No capítulo de propostas para lidar com a crise mundial, porém, apela para uma utópica coordenação multilateral para criar, nos mercados financeiros e na administração das taxas de câmbio, regras e códigos de conduta como os que a desmoralizada OMC aplica ao comércio internacional. O relatório completo, em inglês ou espanhol, está no portal www.unctad.org.


Neoclássicos (Neo-clássicos), fujam enquanto há tempo.

P.S.: Agora entendo o porquê desses caras não escreverem um texto para discussão, eles estão tramando para tomar o mundo.

Mais um "belo" livro


Um dos comentários sobre o post mais recente do Alexandre Schwartsman me remeteu a esse livro: Os cabeças-de-planilha - Luis Nassif.

Observem que bela propaganda a respeito desse "achado" literário:

O Brasil teve três chances de se tornar uma nação de primeira grandeza. A primeira foi no século XIX, logo depois da Abolição da escravidão. A segunda foi no final dos anos 1960, enquanto assistíamos ao "milagre econômico" do regime militar. A terceira surgiu na década passada, com o Plano Real. Mas, por que não saímos do lugar? O jornalista Luís Nassif explica: fomos travados pelos "cabeças-de-planilha", criadores de embustes financeiros e de duvidosas "leis" do mercado. Aliando conhecimento do passado a uma extraordinária familiaridade com os temas próprios da economia e do jogo político, Luís Nassif faz aqui uma análise inteligente - além de desvendar as tramas, as negociatas e as ligações entre o grande capital e os homens do governo em diferentes períodos da república brasileira.


O Nassif culpa as "duvidosas leis de mercado"? Ora, será que foi isso mesmo? Em minha opinião (lembrando que não tenho uma "extraordinária familiaridade com os temas próprios da economia e do jogo político"), os motivos foram outros. Que tal pensarmos no que aconteceria se ao invés de investirmos na "indústria infante", tivéssemos nos concentrado no capital humano. Vejam quem eram Brasil e Coréia do sul na década de 1960. Agora olhem para ambos nos dias de hoje.

Certa vez vi um francês dizendo que não entendia como o Brasil não se tornou um Japão. Ele, junto com Celso Furtado (Furtadô) discutiam isso. Ora, as idéias do Celso contribuíram e muito para isso. Uma das causas estava ao lado dele.

Infeliz daquele que tem a cabeça de planilha de Excel, pois precisamos de mais do que isso. Acredito que foi pela falta da atuação das leis de mercado que somos quem somos. No mais, falar em negociatas é muito perigoso para algumas pessoas ...

domingo, 7 de setembro de 2008

Inutilidade pública: Desemprego Zero

O João fala um pouco sobre a independência do BACEN em seu post mais recente (leiam aqui.)

Ao buscar mais sobre o assunto, acabei (via Google) caindo em um blog muito do ... do ... Tirem suas próprias conclusões. Vejamos, em um dos artigos o Bruno Galvão dos Santos cita o blog do Luis Nassif como principal referência. Em outro, o Léo Nunes vomita: "Analistas do mercado acreditam que a autoridade monetária deve mais uma vez aumentar a taxa, devido a um suposto risco inflacionário." E aí, começa o ataque a postura do BACEN.

Detalhe, temos uma foto do Celso Furtado na barra da direita. Enfim, contribuo com uma inutilidade pública de marca maior: com vocês o blog "Desemprego Zero".

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Matéria - Publish or perish

Vejam uma matéria do valor Econômico (por Leo Pinheiro/Valor)

Uma das características mais marcantes da nova geração de economistas é a presença freqüente da formalização matemática nos trabalhos. Professor assistente na Kennedy School, na Universidade de Harvard, Filipe Campante, de 30 anos, diz que isso é um imperativo para quem vai fazer doutorado nos EUA. "É assim que o 'mainstream' da profissão opera. Quem vem para cá tem que usar esse tipo de ferramenta", afirma ele, que vê o uso de modelos como um instrumento poderoso para o estudo.

Campante concluiu o doutorado em Harvard em 2007, depois de fazer o mestrado na PUC-Rio. Ele tem como áreas de interesse a desigualdade e as intersecções entre política e economia. Um de seus estudos atuais trata das relações entre crime e desigualdade, usando como base as favelas do Rio de Janeiro. Ricardo Madeira, da FEA-USP, vai na mesma linha, dizendo que a formalização dá "mais rigor aos argumentos". "Procuro sempre construir modelos que sejam falseáveis e testáveis. É a linha metodológica que segue um cientista."


Economistas de escolas mais heterodoxas dão hoje mais importância ao uso de modelos. É o caso de Rodrigo Sabbatini, de 34 anos, pesquisador do Núcleo de Estudos da Indústria e de Tecnologia (NEIT) da Unicamp. No doutorado, Sabbatini estudou determinantes do investimento estrangeiro direto, com o uso de técnicas econométricas. "Acho crucial conhecer e aplicar essas técnicas, mas sempre de maneira a auxiliar a sustentação de um argumento". "Economistas matemáticos, do alto de seus modelos sofisticados, erram e acertam previsões, assim como os economistas políticos, com ou sem modelos. Em economia, não existe resposta binária, sim ou não, certo ou errado, mas opiniões balizadas em uma metodologia de análise realizada num contexto de incerteza", afirma ele, doutor pela Unicamp, que teve uma "bolsa-sanduíche" na Universidade da Califórnia, em Berkeley.


Esther Dweck, da UFRJ, diz que também entre os heterodoxos há uma preocupação com a formalização matemática, mas com a consciência de que se trata de um instrumento, e não do foco da pesquisa. "Acho que alguns ortodoxos fazem uma inversão de valores." Esther nota que modelos sempre são simplificações da realidade, o que os fanáticos pela prática tenderiam a esquecer.


O uso de modelos decorre em parte da importância de se publicar em revistas especializadas, que costumam dar mais espaço para trabalhos com maior formalização. Flávio Cunha, da Universidade da Pensilvânia, diz que houve uma mudança de atitude das instituições de ponta no Brasil. "Algumas passaram a exigir publicações em revistas de renome para promoção na carreira e outras oferecem elevados incentivos financeiros."


Para Gustavo Britto, pesquisador de pós-doutorado do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar) da UFMG, hoje é fundamental, se não dominar, pelo menos saber aplicar técnicas de formalização. "Da minha geração para a frente, esse é um divisor de águas", diz Britto, de 31 anos, que é PhD pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Segundo ele, a publicação é atualmente uma "questão de sobreviência acadêmica". Britto submeteu artigos a três periódicos estrangeiros, entre eles o "Journal of Post Keynesian Economics", e aguarda resposta sobre a publicação. Britto trata em seu doutorado da importância das exportações para o crescimento, do produto e da produtividade industriais e da influência de questões regionais no processo de expansão da economia. Paulo Gala, da FGV de São Paulo, tem dois artigos publicados no exterior.


Com a conclusão do doutorado na UFRJ prevista para este ano, André Modenesi, de 33 anos, diz que tem um interesse alto em publicar no exterior. Além da importância de ter uma projeção fora do país, ele diz que órgãos de financiamento de pesquisa dão peso cada vez maior "à participação em congressos no exterior e às publicações internacionais". "Como dependemos deles para financiar nossas pesquisas, temos de nos enquadrar." Sua dissertação de mestrado foi publicada como livro, com o nome de "Regimes Monetários: Teoria e Experiência do Real".


Nos EUA, a pressão para publicar é ainda maior. "Por aqui, o 'publish or perish" é a realidade. É necessário produzir para se manter na carreira, já que se trata do critério número um de avaliação", diz Campante, que tem três artigos publicados em periódicos internacionais, um deles no "Journal of Public Economics". Cunha tem seis artigos publicados em revistas internacionais e outros quatro em processo de revisão, além de dois que saíram em livros.


A importância de ter artigos em publicações de renome leva a uma especialização crescente dos economistas, diz o professor Carlos Eduardo Gonçalves, da FEA-USP, que concluiu o doutorado na USP há mais tempo, em 2003. Com 35 anos, ele diz que a publicação é um critério "objetivo e bom" de análise de desempenho, mas avalia que talvez a disciplina tenha caminhado demais nessa direção. Os economistas passam a dominar com mais profundidade pequenas áreas e nichos da disciplina, em detrimento de uma visão mais genérica. "Ganha-se em profundidade, mas se perde em amplitude", diz Gonçalves, para quem, nesse cenário, é mais difícil surgir um novo Mário Henrique Simonsen.


Discordo fortemente da posição da Esther. Os argumentos podem ser listados no recente debate sobre a importância da matematica na economia.

P.S: Agradeço ao Fábio Rodrigo pela dica.

Parecer

Recebi dois pareceres da Economia Aplicada. Um deles foi muito criterioso, com comentários que apontam falhas e soluções, fiquei feliz!

Porém, terei de trabalhar duro para cumprir as exigências. Pelo menos três semanas de mão-na-massa.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Nelson Piquet

Sem dúvidas o maior piloto brasileiro de todos os tempos. Nelson Piquet e suas opiniões sobre tudo.

Homenagem ao Celso Furtado II

O Laurini renomeia (e bem) o filme sobre Celso Furtado:


O longo amanhecer - cinebiografia de Celso Furtado

Eu discordo do título deste filme. Deveria ser algo na linha "A noite dos mortos vivos".
Inacreditável como esses zumbis ainda nos perseguem. Sempre em busca de cérebros (e verba estatal) para devorar.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Homenagem ao Celso Furtado

O Cristiano diz tudo em sua "homenagem" ao Celso Furtado:

O longo amanhecer - cinebiografia de Celso Furtado

Documentário traça o perfil do economista Celso Furtado

Celso Furtado é lembrado por outras personalidades, como Antônio Barros de Castro, Francisco de Oliveira, José Israel Vargas, João Manuel Cardoso de Melo, Maria da Conceição Tavares, Osvaldo Sunkel e Ricardo Bielschowsky.



Disse o escriba: tutti buona gente!

O que dizer? Havia escrito um monte de besteria sobre a matéria. A tese do Furtado foi derrubada no século passado. A ciência move pra frente e não é estática como os adoradores do Furtado querem. Esse pessoal não cansa!

Faço uma pergunta: será que tem dinheiro público no meio dessa superprodução???

domingo, 31 de agosto de 2008

Atari

Eu me dei muito bem no teste, agora é a vez de vocês:

Teste seus conhecimentos sobre os jogos do Atari

(bom desempenho = nascimento na década de 1970 ou início da de 1980.)

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Eleições pegando fogo ...


Miguel Mossoró, Candidato a prefeito de Natal - RN, lançou uma bela proposta ontem: "O aluno nota cem". Explicando: os melhores alunos da rede municipal de ensino ganhariam uma viagem para a Disney como prêmio.

O Moral Hazard não poderia ficar de fora, por isso propõem-se a seguinte modificação: dado que os alunos brasileiros devem estudar sociologia e filosofia tupiniquim, que tal premiarmos os melhores nessas disciplinas com viagens para CUBA e CORÉIA DO NORTE?

Você tirou DEZ nas aulas sobre a contribuição de Karl Marx, então passará 10 dias em Havana. Sabe tudo sobre filosofia francesa? Então que tal conhecer as usinas atômicas da Coréia do Norte?

Garanto, dado que esses países são um exemplo de civilização e liberdade, ninguém vai querer ir para a Disney, afinal nos EUA não há nada de bom para ser visto.

P.S.1: O melhor vereador é, sem dúvida, Chico do Bar de Roberto Carlos. Ele propõe programas de radio diários, com os grandes sucessos do rei, é claro! Vejam sua foto (ele tá a cara do filho da Lady Laura).

P.S.2: Vejam um video onde Miguel Mossoró fala sobre outras propostas de governo.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Clássicos da literatura econômica

O IPEA publicou alguns clássicos recentemente. Eles, de forma humilde, chamam de texto para discussão. Eu, livre de humildade, chamo-os de "Clássicos da literatura Econômica" (O NBER que se cuide). Vejam alguns:

Brasil desenvolvido exige política macroeconômica, "Professor" João Sicsú.

Saboreiem um trecho:

Neste TD 1346, Sicsú argumenta que o ponto fundamental da estratégia de desenvolvimento é que seja construída em parceria com a sociedade. "Deve emular o seu imaginário, deve se tornar um sonho da grande maioria da população", diz.


Uau!!! Como se calcula o sonho de uma população? Representamos a partir do sonho de um agente representativo? Deixemos pra lá. Vamos para o próximo:

A evolução da Carga Tributária Bruta Brasileira no período de 1995-2007: tamanho, composição e especificações econometrias agregadas

(O Laurini vai gostar desse). Leiam isso:

No período de 2004-2007, a elevação dos impostos está relacionada com o aumento da lucratividade das empresas e do aumento de trabalhadores contratados com a carteira assinada associados a um crescimento econômico contínuo.


Esqueceram de concluir "contínuo e diferenciável...". Olhem mais um:

Gasto real em educação teve crescimento de 42%

Nesse sentido, é essencial contar com uma política macroeconômica que esteja comprometida com o crescimento econômico, mas é igualmente possível pensar na reorientação de uma parcela do gasto público para o atendimento das necessidades educacionais, utilizando-se principalmente de parte do gasto que não está sendo aproveitado nas taxas de pagamento da dívida pública.


Enfim, acredito que a maioria dos leitores desse blog não tem capacidade de acompanhar a profundidade desses estudos, pois nem conseguem pronunciar a palavra Sicsú, mas eu fiz a minha parte divulgando as contribuições científicas.

P.S.: Querem descobrir todos os porquês da falta de crescimento econômico brasileiro (até o Lula, claro). Vejam aqui.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Politicamente incorreto (que ótimo!)

O primeiro posto que li no Raciocínios Espúrios, de meu amigo Márcio Laurini, apresentava o video abaixo com o título "Três gênios em ação". Vejam o Tião Macalé e o Mussum tomando uma gelada, "suco de cevadis", "ampolas do diurético" [...] Engraçado, hoje isso não seria possível, pois é proibido beber álcool na TV aberta. Nesse mundo, cada vez mais politicamente correto (chato!), fica difícil educar nossas crianças...



P.S.: O Renato Aragão era bom, mas o Mussum e o Tião eram sensacionais!

País de M...

O Diogo Mainardi vai direto ao ponto:

"O Brasil fracassa no esporte pelo mesmo motivo
por que fracassa como país: temos uma sociedade
acovardada, fujona, avessa à luta. Tudo aqui é feito
para desestimular a disputa, para reprimir o desafio
pessoal, para amolecer o caráter"


(Texto completo aqui.)

O Adolfo escreveu dois posts a respeito do tema olimpíadas (aqui e aqui).

Dois breves resumos de nossa longa trajetória de fracasso. Ao olhar para frente prevejo, com uma margem de erro muito baixa: continuaremos assim por muito tempo...

domingo, 24 de agosto de 2008

Nosso rico dinheirinho

Será que vale a pena?

Quando as Olimpíadas de Pequim terminarem, hoje, às 9h (de Brasília), o Brasil vai bater um novo recorde. Nunca o governo federal gastou tanto com uma preparação para os Jogos. De forma direta, através da Lei Piva, que determina repasse de 2% das loterias federais, ou indireta, pelas estatais, o Comitê Olímpico Brasileiro e as confederações esportivas receberam no ciclo olímpico, de quatro anos, R$ 692 milhões. O que dá cerca de R$ 53 milhões por cada uma das 13 medalhas do país – excluídas as duas do futebol, que não recebe dinheiro público. O deputado federal Miro Teixeira(PDT-RJ) pedirá abertura de CPI. (O Globo)


Abram os olhos, pois vem aí o "projeto olímpico do Rio de Janeiro", a copa do mundo...

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Dia bom

Hoje foi um dia proveitoso. Enviei dois papers para revistas internacionais qualis A. Agora é esperar. Confesso que a espera não é uma coisa boa. Todo pesquisador (estou sendo pretensioso) adora ver os resultados do seu esforço. Contudo, as revistas estão demorando cada vez mais com as respostas. Quando me solicitam um parecer, entrego rápido, mas os meus pares não costumam fazer isso com os meus artigos. O paper da Revista Brasileira de Economia vai fazer aniversário dia 29 e até agora nem um “oi” do editor. Estou com dois na Economia Aplicada a mais de 6 meses e nada. A Estudos Econômicos me deve um. A Brazilian Review Of Econometrics também. Duas internacionais qualis B entram na lista de devedoras e assim vai ... Estou precisando de mais resultados (de preferência positivos) para ganhar mais fôlego.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Me aguardem...


Começou hoje o projeto "superando M. Phelps". Pois é, pretendo bater todos os records da natação. Os treinos pra valer começam amanhã. Me aguardem na próxima Olimpíada. Não fui para pequim porque não ando em países comunistas.

sábado, 16 de agosto de 2008

Dorival Caymmi

Morreu, aos 94 anos, compositor baiano Dorival Caymmi. Mais um grande que se vai.

Spillovers

Conceição - PB, minha terra natal, é um cidadezinha de nada. 18 mil habitantes e pouco para fazer. Mobilidade social próxima a zero. Estudar? Que nada, o bom é se aproximar de algum partido político e ficar esperando um cargo comissionado. Quando o camarada vai pra escola, quer mesmo é aumentar os anos de estudo (neste caso eu vejo como anos de estudo são uma proxy imperfeita para escolaridade).

Meus pais moravam lá. Quando mudei para Natal eles se transferiram para João Pessoa que, embora não seja lá grande coisa, tem uma perspectiva de vida. Meus pais são pessoas simples. Ambos terminaram o pedagógico e são professores do Estado.

Pois bem, diante da nova realidade e da possibilidade de mudança de vida (via qualificação) meu pai, Robério Bernardino de Figueirêdo, 53 anos, fez o vestibular para Matemática (Universidade Aberta do Brasil - UFPB VIRTUAL). Foi aprovado em 4° lugar. Parabéns para ele.

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

O petróleo é nosso!!!

Depois do "Sinal de Deus" captado pelo presidente Molusco, essa notícia caiu como uma luva:

Soros compra US$ 811 milhões em ações da Petrobras

Agora os PTistas têm argumentos divinos e mundanos para criar a Estatal do petróleo.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Bom debate

O debate em torno do ensino da matemática está a todo vapor na blogosfera. O De Gustibus iniciou, Laurini deu sua contribuição (o texto reproduzido aqui), seguido pela Cibele... (O De Gustibus sintetiza o debate). Enfim, os dois textos mais recentes são muito informativos. Novamente o Laurini e o Preço do Sistema.