sábado, 23 de fevereiro de 2008

Programas sociais

O Adolfo Sachsida levantou alguns argumentos contrários ao Programa Bolsa Família. Sendo assim, gostaria de deixar minha opinião. Porém, para que isso ocorra os leitores deverão desprendam-se de alguns conceitos pré-estabelecidos. Para tanto, faço a seguinte pergunta: quem garante que estes programas promovem um aumento do bem-estar social?

Respondo: apenas uma investigação empírica séria é capaz de dar este certificado de garantia. O grande problema dos gestores de política pública é que eles admitem à existência de uma “verdade” e, com base nesta crença, tomam suas decisões. Um exemplo claro é o da política do salário mínimo. O efeito desta estratégia é ambíguo e constitui um importante ponto de discussão na literatura mundial. Contudo, os policy makers assumem que o aumento do salário mínimo gerará ganhos sociais e, simplesmente, o implementam.

No caso dos programas sociais acredito que um estudo apropriado deve observar o impacto desta estratégia sobre toda a sociedade e não só sobre os grupos beneficiados pelas transferências. Uma dica de pesquisa é fornecida pelos professores Amos Golan, Jeffrey Perloff e Ximing Wu. Vale a pena dar uma conferida.

Nenhum comentário: