sábado, 1 de março de 2008

Humor sem graça

Minha mãe é igual a todas as outras mães, ou seja, uma santa (seja lá o que isso signifique). Pois bem, há alguns dias tenho pensado na melhor coisa que minha mãe me fez. Sem dúvida, a atitude vencedora foi a de não permitir que eu abandonasse o curso de economia para fazer direito. Eu desejava mudar para o direito não por gostar do curso e sim para poder ficar mais próximo de minha casa, dado que me transferiria de João Pessoa para Sousa (Uma cidade no alto sertão da Paraíba a uns 430 km da capital).

Dona Keké não imaginava que o curso de economia seria bom para mim no futuro. Ela apenas conhecia minhas verdadeiras intenções: ficar mais próximo de uma vidinha irresponsável regada à bebedeira e festas com meus amigos do sertão. Neste sentido, agradeço a senhora por esse puxão de orelhas.

O sertão da Paraíba ou de qualquer outro lugar no interior do Nordeste, não é um ambiente para se criar um filho. Não que as capitais sejam melhores, na verdade elas são menos ruins.

Fico me imaginando advogado no sertão a esta altura da vida. Talvez estivesse na porta de uma delegacia esperando um novo "caso". Ou abordando os velhinhos para dar andamentos às suas aposentadorias no Funrural. Um verdadeiro rent seeking de porta de cadeia.

Contudo, meu destino poderia ser mais grandioso. Eu poderia me tornar um “bem-sucedido” advogado residindo na bela Mossoró.

P.S.: Não conheço Mossoró. Porém, ela se enquadra na categoria: "nunca fui mas não gosto de lá".

Nenhum comentário: