quinta-feira, 8 de maio de 2008

A mancada do ano e a BANDIDA que virou Santa


O prêmio "mancada do ano" vai para o Senador norte-riograndense Agripino Maia. A oposição brasileira é uma piada. Falar sobre a mentiras que a Dilma Rousseff contou na época da ditadura foi como deixar a bola quicando na frente do gol. Acho que a Dilma vibrou com a pergunta infame.

Contudo, pior do que ser imbecil é cultuar bandidos. Ora, quem foi a Dilma Rousseff? Ela foi um terrorista que participou da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares, a VAR-Palmares, um dos principais grupos armados da década de 60. Entre os seus "feitos" está o roubo do cofre do governador paulista Adhemar de Barros em 18 de julho de 1969.

Ela foi presa, tadinha, só porque pegou em armas e assaltou? Que injustiça! Afinal, o que importa são os fins, não os meios. Quando falam em julgamento dos militares, penso que isso poderia ser estendido aos guerrilheiros, por que não? Todos não são bandidos?

Lembrem-se, temos uma lista extensa deles no governo e/ou poder: José Dirceu (que já saiu???), Franklin Martins, José Genuino (O que fazia parte do mensalão e o seu irmão tinha um acessor que carregava dólar na cueca), Fernando Gabeira ...

2 comentários:

Cristiano disse...

O Agripino me lembrou o lendário goleiro da Colombia nos anos 90, isso sim. Da listagem dos terroristas, o único que assumiu o erro foi, por incrivel que pareça, o Gabeira nos livros O que é isso Companheiro?, Crepusculo do Macho e Entradas e Bandeiras. Bom, mentira continua sendo mentira em qualquer lugar do mundo e no caso do Gabeira, maconha é droga e continua sendo crime constitucional. Os militantes de outrora defendiam a ditadura do proletariado e nunca a liberdade. Crime é crime em qualquer época embora tortura seja a privação de liberdade individual mais radical depois de assassinato.

Bom, depois de ontem, o Lula definitivamente achou sua parceira para 2010.

Aline Carolina Lima disse...

Confesso que fiquei com pena dela rapaz!
Mas o senador escolheu o argumento errado para o contra ataque concordo.
Em que país estamos priminho???
[não fique chateado com os diminutivos ok?]
Até.