quinta-feira, 19 de junho de 2008

Família de Celso Furtado pede indenização à Anistia

Reproduzo a matéria do Jornal O Globo:

A Comissão de Anistia analisa processo para que o economista Celso Furtado seja declarado anistiado post-mortem, e seus familiares tenham direito a indenização. O caso de Furtado entrou na pauta de votação na semana passada, mas o julgamento foi suspenso porque a comissão decidiu fazer uma consulta ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). No pedido, os familiares pedem que o valor da prestação mensal seja equivalente ao salário atual de um diretor do banco. Foi encaminhado um pedido ao BNDES para fornecer essa informação.


Essa é mais uma da série para onde vai o nosso dinheiro. Como vêem Celso Furtado não morreu completamente. Um punhado de economistas de quermesse continua adotando seus textos e toda a sociedade sustentará sua família.

Já falei aqui sobre um trecho de seu livro, onde ele mostra toda sua ética. Relembrem:

Segundo Celso, seu esforço desenvolvimentista foi atrapalhado por vários adversários, entre eles Argemiro de Figueiredo, então Senador paraibano. Segundo ele, Kubitschek, que sempre o apoiou, deu acesso aos arquivos da polícia federal, logo: "pude então conhecer as sandices que os serviços secretos arquivavam sobre alguém". Notem, esse lance de dossiê é bem comum. Me surpreende como um intelectual fala com tanta naturalidade sobre isso. Para essa gente, os fins, realmente, justificam os meios. Uma mensagem linda para a sociedade.


O post completo se encontra aqui.

É interessante como ele desperta paixões, em outro post falei sobre ele e um leitor anônimo disse:

Chamar Celso Furtado de "baboseira" é, no mínimo, desrespeitoso.
A crítica a quem usa mal a teoria heterodoxa (ou, até mesmo, ortodoxa) não deve ser feita usando-se de um argumento contra a teoria em si. Ainda mais, um argumento tão mal-acabado...


Será que essas viúvas anônimas receberão parte do salário de Furtado?

Um comentário:

Cristiano disse...

Putz, a coisa tá feia. Até o Celso Futado entrará para a bolsa ditadura. Nem é a questão da "contribuição" dele para a ciência. Porra, se eles remunerarem - certamente, irão - a família tendo como base o salário de diretor do BNDES, teremos a maior bolsa da história sendo que o cara ta morto por velhice. Dará para descontar o trabalho dele na Cepal e as externalidade negativas que tal trouxe para a ciência?

Seja como for, petista ficará puto, mas o FHC e o Serra também merecem a bolsa pelo mesmo motivo técnico alegado pela família do Furtado.