quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Clássicos da literatura econômica

O IPEA publicou alguns clássicos recentemente. Eles, de forma humilde, chamam de texto para discussão. Eu, livre de humildade, chamo-os de "Clássicos da literatura Econômica" (O NBER que se cuide). Vejam alguns:

Brasil desenvolvido exige política macroeconômica, "Professor" João Sicsú.

Saboreiem um trecho:

Neste TD 1346, Sicsú argumenta que o ponto fundamental da estratégia de desenvolvimento é que seja construída em parceria com a sociedade. "Deve emular o seu imaginário, deve se tornar um sonho da grande maioria da população", diz.


Uau!!! Como se calcula o sonho de uma população? Representamos a partir do sonho de um agente representativo? Deixemos pra lá. Vamos para o próximo:

A evolução da Carga Tributária Bruta Brasileira no período de 1995-2007: tamanho, composição e especificações econometrias agregadas

(O Laurini vai gostar desse). Leiam isso:

No período de 2004-2007, a elevação dos impostos está relacionada com o aumento da lucratividade das empresas e do aumento de trabalhadores contratados com a carteira assinada associados a um crescimento econômico contínuo.


Esqueceram de concluir "contínuo e diferenciável...". Olhem mais um:

Gasto real em educação teve crescimento de 42%

Nesse sentido, é essencial contar com uma política macroeconômica que esteja comprometida com o crescimento econômico, mas é igualmente possível pensar na reorientação de uma parcela do gasto público para o atendimento das necessidades educacionais, utilizando-se principalmente de parte do gasto que não está sendo aproveitado nas taxas de pagamento da dívida pública.


Enfim, acredito que a maioria dos leitores desse blog não tem capacidade de acompanhar a profundidade desses estudos, pois nem conseguem pronunciar a palavra Sicsú, mas eu fiz a minha parte divulgando as contribuições científicas.

P.S.: Querem descobrir todos os porquês da falta de crescimento econômico brasileiro (até o Lula, claro). Vejam aqui.

Um comentário:

Cristiano disse...

Somente uma coisa:

2+2=5.

Pergunta: como emular o imaginário? Já li muito sofisma barato na minha vida, mas este do Sr. Sicsu (é míster um emulador de sintetizador para pronunciar tal nome dado que tal é oriundo de mutação ideologica) bateu todos os recordes.