sábado, 1 de novembro de 2008

Dilma e a tortura (de novo)

Concordo com a Dilma Rousseff quando ela afirma que "os crimes de tortura são imprescritíveis". Lógico que ela se refere à época da ditadura. (Leiam aqui.)

Contudo, outros crimes também devem ser encarados da mesma forma. A própria ministra, como já destaquei aqui, cometeu os seus. (A mancada do ano e a bandida que virou santa.)

A Dilma foi um terrorista que participou da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares, a VAR-Palmares, um dos principais grupos armados da década de 60.

Se os militares devem ser julgados, os terroristas e guerrilheiros também devem.

Nenhum comentário: