quinta-feira, 2 de abril de 2009

Ser chique custa caro

Ser chique custa caro! Eu poderia morar na beira-mar, com piscina, sauna, 3 quartos, 3 vagas na garagem, entre outras coisas. Contudo, isso é proibitivo (pelo menos para mim). Eu tenho que pagar prestações, botar gasolina no carro, comer, vestir, ter plano de saúde, sair num final de semana (ninguém é de ferro), comprar meus livros ... Notem, eu não sou um cidadão comum. Pelo menos um cidadão comum brasileiro. Minha cesta de consumo tem várias coisas supérfluas.

O brasileiro padrão, não se compra livros, não tem plano de saúde privado, não paga grandes faturas no cartão de crédito, não tem carro, compra uma roupa de vez em quando, e por aí vai. Então, dadas essas informações, eu pergunto: é chique emprestar dinheiro ao FMI?

O presidente que mais falou bobagem na história de nosso país, acha que sim! (AQUI.)

Presidente, ser chique custa caro!

3 comentários:

Cibele Bastos disse...

Quando eu li a notícia, nem me surpreendi que tinha sido ele o autor da frase!
O brasil so pode ta é bem ne? É pacote habitacional, redução de impostos..e a crise? coisa da cabeça dos economistas?

abraços erik!

=*

cristiano disse...

Como brasileiro padrão, chique seria ter segurança, saude e educação. Chique é não ter um surto de dengue em boa parte da RFB.

Anônimo disse...

Meu Querido Erik,
Estou com saudades suas. Aqui em Natal, tudo ótimo!
Acredito que o grande Lula, mais uma vez está equivocado, pois o Brasil emprega recursos no FMI desde 1944, com a inauguração do organismo em Bretton Woods, não é? Pois, afinal de contas ele é um dos países membros desde sua fundação.
Grande abraço,
Sérgio