segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Dinâmica do IGP-DI

Alguns leitores ficam loucos quando eu falo sobre um tema que não seja distribuição de renda. Entretanto, mesmo correndo alguns riscos, vou discutir um pouco a persistência da inflação. Todos sabemos que a série da inflação (IGP-DI), está sujeita a presença de inliers e outliers, além de possíveis mudanças de regime.

O Márcio Laurini trata dessas mundanças de regime para o período pós-Plano Real:

Laurini, M. & Vieira, H. (2005). A dynamic econometric model for inflationary inertia in Brazil, IBMEC.

Outros estudos destacam o comportamento fracionário da série:

Reisen, V., Cribari-Neto, F. & Jensen, M. (2003). Long memory inflationary dynamics: the case of Brazil. Studies in Nonlinear Dynamics and Econometrics, 7, 1157-1173.

Contudo, o que ocorreria caso considerássemos, conjuntamente, as hipótese da intergação fracionária e a mudança de regime markoviana?

Os resultados preliminares estão sumarizados na figura a seguir:





Note que temos dois regimes. Em cada um, médias e parâmetros fracionários diferenciados. O parâmetro para o regime de baixa inflação é 0.84, aproximadamente. Ou seja, a série é não estacionária, porém reversível à média. No regime de alta inflação, a série possui uma raiz unitária (alta persistência). A segunda figura sintetiza o comportamento do "d" ao longo do tempo (observações mensais de 1944 a 2009).



Lembrem-se, são só resultados preliminares, quase uma brincadeira. Não fiquem irritados nem chamem os especialistas para baterem em mim.

2 comentários:

Claudio disse...

Erik,

é o seguinte: especialista que nao se comunica, se estrumbica. Por isso estas evidências são ótimas: elas abrem diálogos com gente que tem a internet como um meio a mais.

é o seu caso, o meu, e de outros. Mas tem gente que nao tem jeito para a coisa ou simplesmente nao entende. Nao dá para mudar o mundo.

Belas evidências!

trade24hrs disse...

O IGP-DI eh muito mais sensivel a choque monetarios... e eh OBVIO que ha inercia quando a inflacao eh explosiva... o pessoal comeca a negociar os salarios na segunda derivada e nao a primeira, por isso da alta inercia. Os precos relativos se distorcem e com isso tudo recomeca. Modelos para essas coisas nao dao dinheiro. Modelos AR, ARFIMA, para VOL, para inflacao nao funcionam, nao sao ganhadores de dinheiro. Modelo para o Output Gap consistente, e com a Phillips Curve decente, para o Brasil, com uma boa especificacao do lado fiscal, esse sim eh o segredo do sucesso. Eu topo entrar num projeto para desenvolver. Abs