terça-feira, 31 de agosto de 2010

Pluralismo na economia

Vez por outra surge a discussão sobre o pluralismo nos departamentos de economia. Esse assunto chato me fez recordar de um belo post dos alunos da PUC em resposta a um artigo publicado no Valor Econômico:

Meninos da PUC respondem a Oreiro e Andrade: podemos conversar, mas com algum método.


Recomendo, fortemente, a leitura. Contudo, faço um resumo de suas idéias.

Os trechos publicados no Valor Econômico são tão bizarros quanto comuns nos corredores e, pasmem, nas salas de aula das universidades. Deliciem-se com dois deles:

“O que falta [à macroeconomia dominante, na academia e nas escolas] é um sentido do todo humano”, por que “a economia ‘samuelsoniana’, termo melhor do que ‘neoclássica’, reduz toda a economia às aventuras de um mau caráter chamado Max U” (que maximiza a utilidade). “Esse sujeito é um completo idiota! Só pensa em si mesmo. Uma economia pluralista fala de pessoas reais.”


"Mas fica difícil para um economista externo ao pensamento “mainstream” entrar no circuito das publicações acadêmicas, terreno importante para a apresentação de idéias que possam ser consideradas inovadoras. É o que explica McCloskey: “O problema é que, para ter um artigo aceito num “journal” samuelsoniano, você deve usar um modelo Max U e deve expressar seus resultados em ‘teoremas de existência’ -- que não têm nenhuma importância como ciência, pois ciência trata de grandezas, não de teoremas de existência. Além disso, você precisa usar ‘significância estatística’, o que é um procedimento também desimportante. Se você está apenas raciocinando sobre economia, usando argumentos coerentes e mantendo-se atento às possíveis magnitudes relevantes, então você está fazendo verdadeira ciência econômica. Mas não vai ser publicado.”


Confesso que a leitura desses trechos doem na alma.

Diante desse lenga-lenga pluralista, os autores do post fazem a separação mais relevante para o debate:

[...] a distinção ortodoxia e heterodoxia é um tanto cinzenta, e que a divisão relevante seria entre má e boa economia. "Sempre que a "profissão" consegue aprender alguma coisa, estamos falando de boa pesquisa. Sempre que existe blá blá blá, análises intermináveis sobre textos antigos e estatística (ou econometria) feita sob medida para encontrar resultados, temos uma pesquisa ruim."


Ou seja, o pluralismo está separando as coisas erradas.

Os autores seguem jogando mais um pouco de luz no debate:

Os economistas aplicados do mainstream vivem de testar as hipóteses dos modelos. Quando não encontram evidências dos resultados, surge um desafio para a teoria, criando espaço para que busquem melhores respostas. Se não há um acordo com a abordagem de teste, como se avaliar um argumento?


Para fechar com chave de ouro, eles dão um nocaute nos pluralistas:

A má economia está para a teoria econômica como a alquimia está para a química. Química moderna é a racionalização de práticas da alquimia sem as crenças mitológicas. Não há nenhum problema com crenças, só não podemos aceitar que elas se finjam de ciência.

O maior argumento da mediocridade é fazer-se passar por diversidade. Diversidade é quando se abre espaço para diferentes idéias igualmente válidas. Há muito espaço para contestação e diálogo dentro da boa economia, mas é preciso método e implicações refutáveis. Caso contrário, é melhor usarmos túnicas e buscarmos uma pedra-filosofal heterodoxa.

Conferência da pesada

Recebi esta mensagem por email:

I CONFERÊNCIA NACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS CONTRA A POBREZA E A DESIGUALDADE
NATAL, 10, 11 E 12 DE NOVEMBRO DE 2010

Realização: UFRN - Departamento de Poliíticas Públicas e USP EACH - Curso de Políticas Públicas

Presenças: Márcio Pochmann, Chico de Oliveira, Ermínia Maricato, Wilson Cano, Ricardo Antunes, José Luis Fiori, Maria da Glória Gohn, Leda Paulani, João Sicsu, Tânia Bacelar, Amartya Sen, entre outros.

Submissão de Trabalhos até 15/10/2010

Maiores informações no site (não deixem de conferir!) www.cchla.ufrn.br/cnpp


Alguns comentários: 1) fico imaginando o Amartya Sen no meio dessas feras; 2) os palestrantes foram ordenados por importância?; 3) escreveram o nome do professor errado, é "Sicsú", será que vocês não aprendem?

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

PPGE/UFPB

O Programa de Pós-Graduação em Economia da UFPB está com um novo site:

http://www.ccsa.ufpb.br/ppge/

Parabéns ao professor Hilton Ramalho pelo belo trabalho de confecção da página.

CORECON-PB

O CORECON-PB se superou dessa vez. Vejam a mensagem que recebi:

O CORECON-PB desde o início do ano vem fazendo a seguinte enquete junto aos economistas que acessam o site do Conselho: Qual será o crescimento econômico da Paraíba em 2010?

Até esta sexta-feira (27) a enquete apresentou o seguinte resultado:

Até 3% de crescimento 20,56%
Acima de 3% até 5% de crescimento 52,33%
Acima de 5% até 6% de crescimento 20,56%
Acima 6% de crescimento 6,55%

Segundo Projeções divulgadas pela consultoria pernambucana Datamétrica, o PIB da Paraíba irá crescer 7,29% em 2010 e o da região nordeste de 7,7%, contra 7,1% esperados pelo mercado para o Brasil.

Na sua opinião, qual será o crescimento da Paraíba em 2010? Responda a enquete no site http://www.corecon-pb.org.br/, que estará disponível até 31/08/2010.


Ou seja, no lugar de com base nos dados, promover uma discussão séria, até mesmo sobre os instrumentos utilizados para gerar a previsão, o CORECON-PB prefere promover uma enquete. Distintos senhores, se limitem a realizar palestras sobre o papel de Celso Furtado para o desenvolvimento regional.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Pobreza por Esther Duflo

A pesquisadora agraciada com a medalha John Bates Clark, Esther Duflo (MIT), fala sobre os experimentos para combater a pobreza.




Dica do professor José Luis.

Eu quero ter um milhão de amigos ...

Ter mais amigos aumenta a chance de sair do Desemprego?

O Francis Carlo Petterini (CAEN) responde positivamente a essa pergunta. O trabalho é bem interessante e pode ser lido AQUI.

As evidências do Francis são robustas, mas não custa dar uma ajudinha:

Lula cria 700 cargos no Ministério da Defesa
Presidente também vai nomear amigo do ministro Jobim para chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas


Como se pode ver, a amizade importa e muito.

P.S.: Francis, a conotação política não tem nada a ver com o seu paper. Não fique bravo (risos).

Proposta

17ª edição do Prêmio Multishow tem vitoriosos de todos os estilos
Banda Cine desbanca bandas consagradas como Nx Zero, Skank e Titãs. Álbum de estreia de Maria Gadú é eleito o melhor do ano


Ao ler uma matéria como essa eu proponho: que tal pararmos com a produção musical? Poderíamos em um período de dez ou quinze anos, só escutar as coisas feitas no passado.

Durante esse tempo Maria Gadú, NX Zero e outros podem ganhar a vida tocando releituras de clássicos em barzinhos.

Pró-pobre

O computador trabalha a todo vapor.
Estou estimando os testes para o crescimento pró-pobre brasileiro. São quatro períodos e diversas desagregações: por escalas de equivalência, composição da família, rural, urbano, regiões e estados. Resultado: um amontoado de curvas para os testes primal e dual de primeira ordem e, por vezes, os testes de segunda ordem.

É curva que não acaba mais.

Resumo dos resultados: a) para o Brasil o período de 1987 a 1993 é não pró-pobre; b) já de 1993 a 1999 e de 1999 a 2007 temos um crescimento pró-pobre; c) os testes não se alteram se trocarmos as escalas de equivalência, ou seja, se no lugar de usar a renda per capita (y/n), usarmos a renda familiar total (y), ou outras unidades (y/n^e, com e=0,1; 0,5; 0,7 ...); d) os resultados também não se alteram se atribuirmos pesos diferentes para os componentes da família (i.e., decompor o n em número de adultos e crianças); e) a separação entre rural e urbano é relevante, pois, o rural não segue a mesma dinâmica do urbano, há dois períodos de indefinição no meio rural, ou seja, temos que aplicar o teste de segunda ordem; f) a análise regional e estadual ainda está sendo processada.

Reprodução de um post sobre política(?)

Reproduzo um post de 2008, porém, ainda atual. Segue:

Relatarei parte de uma conversa entre professores da UFRN. Os nomes dos participantes serão omitidos por uma questão de segurança nacional.

Rosa Luxemburgo: E o nosso aumento salarial, alguém tem notícia?

Professor de econometria: Não tenho.

Paul Sweezy: Será que o nosso presidente abandonará os seus eleitores mais fiéis?

Friedrich Engels: Não, ele nunca nos abandonou, basta observar seu governo, como as coisas melhoram em relação ao governo anterior. A ampliação das universidades, o aumento no número de vagas ...

Sir Keynes: Verdade, não tem nem comparação. Embora isso tudo seja um fato, a oposição ainda questiona a política do presidente Molusco. Vejam o caso de São Paulo, é muito hipocrisia, eles gastaram mais com o cartão coorporativo do que o governo federal. Quem são eles para questionar? Todo mundo sabe que há desvio, mas é melhor uma tapioca do que os escândalos da privatização.

Rosa Luxemburgo: Fernando Henrique ia privatizar a caixa Econômica, já estava tudo certo.

Professor de econometria (Sem entender qual o mal em privatizar e com vontade de se auto-suicidar-se-a-si-mesmo.): Hum.

Sir Keynes: Pois bem, queremos o terceiro mandato.

Paul Sweezy: Verdade, e eu quero um coorporativo (n-1 pessoas rindo na sala)."

domingo, 22 de agosto de 2010

Um Instituto, dois momentos

É uma pena que o IPEA de hoje chegue a grande mídia (Jornal O Globo) a partir de ações como estas: "Uma máquina de alto custo".



Enquanto isso, a ação dos verdadeiros pesquisadores do IPEA, como a que criou o IpeaGeo, fica obscurecida. Download do Ipeageo AQUI.

P.S.: Dicas do Coronel (reportagem) e do Leonardo Monastério (software).

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Voto na lixeira


Reproduzo a foto e deixo o link para o texto do Instituto Ludwing von Mises (AQUI). Olhando para os personagens da foto, me lembro da propaganda do TSE: não desperdice seu voto ...

Do Raciocínios Espúrios: O fracasso não me subiu a cabeça

Compartilho da visão do Márcio, o filme do Pereio ("Pereio eu te odeio") será a grande atração do cinema nacional. Impagável!




P.S.: Só para adicionar algo: saiba mais sobre o Pereio AQUI.

Candidatos

O blog "Não acredito" elabora uma lista das candidaturas mais "marcantes".

AQUI

Seminário

A apresentação no PIMES foi tranqüila.
Uma boa participação da platéia e algumas idéias coletadas.
Agradeço a atenção dos professores Raul, Tatiane e, mesmo ausente, do Yony.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Homenagem III


O blog, novamente, é colorado.

Paraíba

A Paraíba é um estado de m... onde as pessoas discutem politica como quem briga por um prato de comida. Os candidatos mandam carros de som (ligados no último volume) para a porta da sua casa. As musicas, terríveis, vomitam: "fulano é do povo, sicrano pra melhorar ..."

Se A ganhar, o estado ficará na pior. Se B ganhar, ficará pior ainda.

Enquanto isso, os indicadores econômicos e sociais vão desmoronando. Caminhamos para ser a nona economia do Nordeste. Dureza!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Seminário

Na próxima semana, quinta-feria 19/08 às 16:30, estarei no Programa de Pós-Graduação em Economia da UFPE (PIMES) apresentando o seminário:

Inequality of Opportunity in Brazil

Não se trata de um artigo específico e sim da apresentação de uma linha de pesquisa, onde, destacarei alguns conceitos teóricos e os principais desafios empíricos relacionados ao tema. É claro que tomarei como base alguns artigos meus.

Homenagem II

Seguindo com a série "homenagens", inaugurada na semana passada, o blog recomenda a bebida para hoje a noite:





Por favor, apreciem sem moderação, pois, com moderação só antibióticos.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Equilíbrio de Nash

Não posso deixar de indicar esta pérola postada no blog do Leo Monastério (AQUI).

Tecnologia brasileira

O Malvadinho tem razão: O Brasil é um dos poucos países com tecnologia capaz de transformar engenheiros em motoristas de taxi.

Acabo de receber uma mensagem da revisora de um dos meus textos. Ela solicitou que eu convertesse o artigo redigido em TeX, para o word. Como me recusei a fazer isso, ela mesmo o fez. Resultado? A dita cuja destruiu o meu texto!

P.S: Só explicando, Enoch, as revistas científicas deveriam saber o que é um editor de textos científico. Contudo, elas só trabalham com Word.

Social Choice & Welfare

A Elsevier está lançando o volume dois do Handbook Of Social Choice &
Welfare
. Um livro que, com certeza, não faltará na minha estante. Um dos capítulos mais interessantes, na minha opinião (viesada) é o 22:

Compensation and responsibility (M. Fleurbaey, F. Maniquet).


P.S.: Se não acreditam no Erik, com K, acreditem no Eric, com C e com um Nobel:

Social choice theory has produced some of the most powerful (and beautiful) findings in theoretical social science. This long-awaited volume will be a valuable resource to both students and scholars interested in exploring this important field.
Eric Maskin, Nobel Laureate in Economics

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Internacional


Em homenagem aos amigos André Marques, Sabino Porto Junior, Flávio Ziegelmann, Patrícia Hadler (o Lúcio não!) e Nara Cristina, o blog se torna Colorado.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Notícia

O artigo "Mobilidade Intrageracional de Renda no
Brasil", sairá no v20, n3 da revista Nova Economia.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Leite de pato e o PT

Li, gostei e não poderia deixar de citar. O Felipe Flexa, do blog Leite de Pato, escreve um texto pra lá de bem-humorado e, infelizmente, verossímil, onde o PT é o ator principal (financiado com dinheiro público, claro!).

Quantos petistas são necessários para trocar uma lâmpada no Palácio do Planalto?

Pesquisas eleitorais brasileiras

O Lúcio Neto disseca pesquisa do IBOPE (AQUI). Vale a leitura.

domingo, 1 de agosto de 2010

Ufa!!!

Depois de um final de semana exclusivo para a preparação de aulas, minha semana será só para a pesquisa ...