segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Revistas Nacionais de Economia

As revistas nacionais de economia estão saturadas. Os editores não conseguem cumprir os prazos e colocam a culpa nos pareceristas. O argumento é sempre o mesmo: trata-se de um trabalho voluntário, logo, os árbitros, cada vez mais ocupados, não estão sujeitos a pressões editoriais e assim vai...

Alguns aspectos contribuem para este comportamento. O primeiro deles é o incentivo da CAPES. Há um número maior de pesquisadores submetendo seus artigos para as revistas, em especial as nacionais. O Adolfo sintetiza o problema neste post AQUI.

Diante disso, os editores repassam o “problema” para os pareceristas, sobrecarregando-os.
Só para se ter uma idéia, uma revista nacional, qualis b2, passou a não receber mais artigos de autores que já publicaram neste periódico nos últimos dois anos. Outra, qualis b3, possui uma fila cerca de 80 artigos esperando o início do processo de avaliação. Ou seja, trabalhos que nem mesmo foram enviados aos pareceristas. No mais, os trabalhos já aceitos esperam, em média, 2 anos para serem publicados.

Como resolver isso? Sinceramente não sei. Mas acredito que uma maior atuação do corpo editorial, eliminando os artigos com baixa qualidade ou que não se encaixem na linha editorial da revista, ajudaria bastante.

2 comentários:

Diogo disse...

Oi professor Erik,
Eu partilho da sua visão. Consegui um parecer positivo em 2007 para publicação em 2009. Só que esse período faz com que a pesquisa fique "ultrapassa". Aquilo que era do maior interesse hoje, pode não ser de tanto interesse assim daqui 2 anos.
Ademais, isso atrasa a renovação da própria pesquisa brasileira.
Para ser sincero, eu não me conformo na incrível falta de qualificação das revistas internacionais diante das nacionais. Revistas como "Energy Economics" e "Economic Modelling" (para citar algumas) são muito superiores às nacionais e não são prestigiadas pela CAPES. Só citei algumas que apresentam qualis relativamente baixo de forma proposital, embora seus artigos tenham um nível no mínimo interessante.
Abs.,
Diogo Mendonça.
leitor do blog

Irineu de Carvalho Filho disse...

Caro Erik,

Eu tenho trabalhado como editor associado da Economia Aplicada por nao mais do que 2 meses, mas acho que o problema tem solucao.

De fato, houve um problema criado pelo aumento do numero de submissoes, provavelmente como resposta aos incentivos a publicacao de artigos dado pelo CAPES.

Mas esse problema eh temporario.

Eu posso lhe garantir que se voce enviar um artigo de macroeconomia para a EA hoje, existe uma probabilidade altissima que voce vai receber seu parecer em menos do que 4 meses.

Quanto a defasagem entre aceitacao do artigo e publicacao, este nao eh um problema unico das revistas brasileiras. Eu mesmo tive um artigo aceito semana passada que foi agendado para o primeiro trimestre de 2012...

Abracos,

Irineu de Carvalho Filho