sábado, 11 de junho de 2011

Mobilidade Social

A Mobilidade Social está novamente na mídia. A reportagem:

De Mauá ao MIT: a nova mobilidade social no Brasil

Conta a História de Dejanir Silva, primeiro lugar no exame nacional da ANPEC em 2009 e de malas prontas para os EUA:

[...] hoje com 27 anos, passa a fazer parte da elite acadêmica internacional. Já com o título de mestre em economia pela Universidade de São Paulo, onde também fez a graduação, ele se muda para Boston, nos Estados Unidos, para iniciar o doutorado no Massachusetts Institute of Technology (MIT), um dos mais emblemáticos centros de educação e pesquisa americanos.


A reportagem cita uma certa tensão entre os conceitos de Mobilidades Social e Econômica. Já escrevi sobre isso, mas deixo uma dica para quem quiser aprofundar o tema.

Mobilidade:

i) para os sociólogos trata-se de uma transição entre
classes de ocupações e/ou estratos sociais.
Na literatura internacional destaco os estudos de:

Erickson, R. & Goldthorpe, J.H. (1992). The Constant Flux. A Study of Class
Mobility in Industrial Societies. Oxford: Clarendon Press.

Treiman, D. & Ganzeboom, H. (1990). Cross-national comparative status attainment research. Research in Social Stratification and Mobility, 9:105-127.

No Brasil, as maiores referências são:

Pastore, J. (1979). Desigualdade e mobilidade social no Brasil. São Paulo:
Editora da Universidade de São Paulo.

Pastore, J. & Silva, N. (1999). Mobilidade social no Brasil. São Paulo: Makron
Books.

ii) Já os economistas focam suas atenções na dimensão renda (ou educação), analisando a transmissão dos salários entre as gerações, em geral de pai para filho; ou o efeito da renda presente, digamos no tempo t, sobre o nível de renda futuro de um mesmo indivíduo, i.e. t+1. Estes dois movimentos são reconhecidos, respectivamente,
como mobilidades intergeracional e intrageracional.

Recomenda-se a leitura de:

Fields, Gary S. (2001). Distribution and development: a new look at the de-
veloping world. Cambridge: The MIT Press.

Gottschalk, P. (1997). Inequality, income growth, and mobility: the basic facts.
Journal of Economic Perspectives, 11.

Solon, G. (1992). Intergenerational income mobility in the United States.
American Economic Review, 82:393-408.

Zimmerman, D. (1992). Regression toward mediocrity in economic stature.
American Economic Review, 82:409-429.

Evidências para o Brasil são encontradas em:

Ferreira, S. & Veloso, F. (2006). Intergenerational mobility of wages in Brazil.
Brazilian Review of Econometrics, 26: 181-211.

P.S.: A reportagem foi uma dica do Enoch (Além das Curvas) repassada pelo Cleiton Roberto.

Um comentário:

Enoch Filho disse...

Erik, e eu repassei sua lista de referências para os colegas do mestrado.

Alguns vão trabalhando temas relacionados, acho que vai ser útil pra eles.

=)