domingo, 17 de julho de 2011

Boas críticas

Um leitor anônimo resolver contribuir com a discussão iniciada AQUI e AQUI.

Ele, inicialmente, questionou a significância estatística da relação crença de que não há oportunidades para TODOS e políticas redistributivas: "Desconfio que a inclinação dessa reta não difere estatisticamente de zero."

Respondi que a relação é significativa, inclusive, quando controlada pelo PIB per capita e pelo índice de Gini. Ele então levantou outra questão relevante: "Um ponto importante é a participação da Venezuela como outlier. Se vc tirar a Venezuela, ainda assim é significante?".

A resposta é sim. Refiz os cálculos sem a Venezuela e encontrei isto:



A regressão indica que a única variável relevante na explicação do gasto social é a crença da oportunidades, o coeficiente 0.18 é significativo a 5%.

Estou indo para Fortaleza agora a tarde. Por isso, posso não responder aos comentários até a próxima quarta. Caso o leitor anônimo queira, posso enviar o trabalho que escrevi para o seu email, é só deixá-lo nos comentários.

Agradeço e muito pelo interesse.

Um comentário:

Anônimo disse...

Boa viagem Erik.

Acho que meu ceticismo acabou servido para tornar mais forte o seu argumento.

Gosto muito da economia institucional do North, e compartilho com vc da crença de que diferentes valores individuais acabam contribuindo para das uma "cara" diferente às instituições de uma sociedade. E que , por isso, algumas instituições (e países) acabam se tornando melhores que as outras. Acredito ainda que isso acaba influenciando não só a economia como a forma e qualidade da ciência, arte etc de uma sociedade. Parece que é isso que vc tem capturado empiricamente.


Abcs