segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Mais do mesmo

Dilma falsificou o diploma (AQUI);

Mercadante falsificou o diploma (AQUI);

Chalita falsificou o diploma (AQUI).

Se a educação não vale nada neste país, por que eles se esforçam tanto para ser quem não são?

3 comentários:

Anônimo disse...

Gabriel Chalita encontrou utopia em Maquiavel

Tarso Genro encontrou um coração em Lênin

Fernando Haddad encontrou competitividade na União Soviética

Celso Garcia encontrou democracia no Irã

Antônio Patriota encontrou respeito aos direitos humanos em Cuba

Lula encontrou um homem probo e diferenciado em José Sarney

José Dirceu encontrou republicanismo no Mensalão

Luis Eduardo Greenhalgh encontrou um humanista em Césare Battisti

Eleonora Menecucci encontrou beleza no aborto

Tarso Genro, de novo, encontrou poesia no onanismo

Gilberto Carvalho encontrou crime comum no assassinato de Celso Daniel

Luis Eduardo Cardoso encontrou concessões na privataria petista dos aeroportos

Guido Mantega encontrou crescimento na inflação em alta

Gomes Temporão encontrou eficiência no SUS

Os petistas encontram muitas coisas estranhas onde não se espera

Só não encontram ainda um cérebro na presidente Dilma


***

PS- Você é petralha e não gostou? Vai chorar no colo do Frei Betto!!!
http://freirojao.blogspot.com/

Geraldo Lopes.

Carlos disse...

Erik,

Não vejo isso como um problema político, isso é endêmico. Eles apenas chamaram a atenção por serem políticos.

Quantas dissertações aí, na UFRGS, na UnB, na Puc, na FGV não são apenas para "cumprir tabela"? Quantas vezes mais da metade de uma turma tirou menos de 5 em uma prova de análise ou de econometria e o professor "padronizou" a nota? Ou casos até mais complicados.

Em todos esses cursos a preocupação é não reprovar, e de fato a maioria não reprova.

Então esses casos são apenas algumas das milhares de pequenas fraudes que acontecem todos os anos.

Abraços

Carlos

Erik Figueiredo disse...

Obrigado pelos comentários Geraldo e Carlos.
Carlos, concordo contigo em parte. Falsificar o diploma é crime. Dizer que é doutor no curriculo lattes sem o ser, é crime. Defender uma monografia meia boca e, mesmo assim, receber o diploma, não é.
Entendo que você alertou que neste último caso o problema é da banca e não de quem defende. Concordo plenamente contigo. Só quis fazer essa separação. Ok? Visitei o seu blog e já o listei nos meus favoritos. Abraços,