domingo, 9 de junho de 2013

A violencia é fruto da injustica social?

(Antes de prosseguir, devo alerta-los: assim como os especialistas da área, não sei anda sobre economia do crime. Contudo, também serei irresponsável e despejarei informações sem fundamento algum.)

Os 'especialistas' em criminalidade adoram vomitar suas teses sobre violência. Um vigia de um colégio em São Paulo foi colocado de joelhos e abatido com o tiro na nuca? Eles explicam: “os jovens que praticaram esse ato não tinham noção da brutalidade, eles só querem ter um nível de consumo maior. Só querem ser alguém dentro da comunidade em que vivem”. Em resumo, ninguém é responsável pelos próprios atos, é tudo culpa de uma sociedade consumista.

Essa visão é difundida por idiotas de todo tipo. Haverá sempre uma psicóloga da PUC/SP ou algum professor barbudinho da FFLCH/USP reforçando a tese de que a injustiça social produz a violência. Recentemente, um estudo de duas pesquisadoras do IPEA, Luseni Aquino e Enid Rocha, intitulado “Desigualdade social, violência e jovens no Brasil”, afirmou:

“A desigualdade social está entre as maiores causas da violência entre jovens no Brasil. Ela é o grande contexto, o pano de fundo, onde vive a população mais atingida por esse problema: as pessoas entre 15 e 24 anos.”

Quanta injustiça social!.

Contudo, apesar das evidencias tão solidas, fiquei curioso em observar que, entre 2010 e 2011, houve um aumento de 174% no numero de assaltos a ônibus na cidade de Joao Pessoa.* No mesmo período, a cidade passou a ocupar o honroso segundo lugar no ranking das capitais brasileiras com maior taxa de homicídios.** Tudo isso, sob um cenário de reduções expressivas nos índices de pobreza e indigência (queda de 25%) e desigualdade. (cenários similares podem ser observados em diversas outras cidades). (A Figura abaixo sintetiza os dados).



O próprio IPEA, nas palavras do seu presidente, Marcelo Neri, afirmou que o cenário distributivo atual se caracteriza por:

“(...) pessoas que vivem em famílias chefiadas por analfabetos tiveram 88,6% de aumento da renda, contra 11,1% de decréscimo para aquelas cujo chefe familiar possui 12 anos de instrução regular ou mais. No Nordeste, a renda cresceu 72,8%(...)

Confesso, não consigo entender mais nada! Será que nossos especialistas vao precisar de uma nova tese?


*Secretaria de Segurança Pública da Paraíba (SSPPB). Materia do Portal Correio (AQUI)
**Mapa da violência 2013. (AQUI).
***IPECE. (AQUI).

Este post foi inspirado em um comentário do professor Roberto Ellery.

2 comentários:

Anônimo disse...

Olá! Acompanho o blog regularmente e não tive oportunidade de opinar em outra ocasião.

Venho estudando Economia do Crime e, apesar de ser uma área com muitas lacunas ainda, temos algumas evidências para o Brasil (se bem que a quantidade de estudos é bem pequena, o que pode dificultar a interpretação). Uma das variáveis que sempre apresenta bons resultados econométricos é a desigualdade realmente, nos meus trabalhos inclusive. Mas temos muitas outras variáveis que dependendo de como se mede e da região também são relevantes como a urbanização, escolaridade, um chamado efeito inercial, etc.. A grande polêmica mesmo é sobre o efeito do gasto público em segurança que sempre apresenta resultados que estão contra o senso comum e a própria teoria do Becker. Meu palpite, e pesquisa atual, é sobre a eficiência nesse gasto...Vamos ver!
Um abraço e parabéns pelo excelente blog
Fernando

Anônimo disse...

Conheço pouco da história da migração do tráfico em Recife. Mas dias desses conversando sobre os alarmantes índices de violência em Fortaleza ( o que não destoa da desigualdade social que dá o vergonhoso título para a Capital de quinta cidade mais desigual do mundo)e me comentaram sobre o processo de redução dos crimes em Recife há uns 10 anos atrás, mas o que me falaram é que muito do crime organizado se deslocou para João Pessoa. Vale apurar. Nada funciona tão simplesmente na "equação" da violência urbana. Não seria João Pessoa um exemplo de exceção na pertinência da variável desigualdade social ? Sei que violência urbana não deveria ser tratada de forma simplista, mas esse videozinho é interessante e associa o fator desigualdade a uma serie de questões sociais prejudicadas. http://www.youtube.com/watch?v=BJkH89aCDo4
Abraço grande!