sexta-feira, 26 de julho de 2013

IPEA de novo

Vou reeditar um post de 2011, como resposta a algumas questoes levantadas pelo Presidente do IPEA, Marcelo Neri:
Neri faz análise sobre crescimento inclusivo do Nordeste

Em relação às desigualdades econômicas do Brasil, o ministro disse que por pessoa, em termos reais, a renda dos 10% mais pobres cresceu 91% entre 2001 e 2011, enquanto o rendimento dos 10% mais ricos teve um aumento de 17%, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE). Com foco no Nordeste, Marcelo Neri afirmou que em 2009 as rendas per capita eram mais baixas, e que houve um processo de evolução. “Além das rendas entre estados, se olharmos a distribuição entre os municípios, no período de 2000 e 2010, é possível observar uma queda das desigualdades”, complementou o ministro. (Grifo meu).

Novamente o IPEA destaca a redução do índice de Gini entre os municípios, destacando o Nordeste.

Dito isto, vejam estas figuras e depois eu as comento.



O que elas informam? Elas sintetizam a evolução das rendas per capita estaduais não ponderadas e ponderadas pela população.

Pois bem, a Figura 1 mostra que de 1991 a 2007 a densidade está convergindo para uma bimodal. A Figura 2, onde as rendas são ponderadas pela população, reforça a tendência (na verdade a acentua).

Ou seja, mesmo sem um cálculo específico, posso afirmar que houve um aumento na polarização. Em outras palavras, os estados ricos estão se distanciando dos estados pobres.

Vejamos o fenômeno da polarização mais de perto: a polarização, no sentido de Esteban e Ray, baseia-se na identificação e na alienação. Imaginemos uma bimodal, quando mais homogêneo for cada grupo (menor desigualdade intra grupos) e quanto maior for a alienação (desigualdade entre grupos), maior o polarização. Note que a menor desigualdade intra grupos reduzirá a variância da distribuição bimodal. Logo, é perfeitamente possível que haja uma redução no Gini e um aumento na polarização.

É isto que acontece com os dados Estaduais. As rendas não ponderadas apresentam uma desigualdade de 0.2988, em 1991, e de 0.2886, em 2007. E os dados municipais? Meus resultados indicam que o comportamento é similar.

Concluindo: IPEA, uma redução nos Ginis dos municípios pode significar que os municípios pobres estão cada vez mais parecidos e relativamente mais distantes dos municípios ricos.

Com relacao ao efeito do PIB sobre a desigualdade, tambem destacado por Marcelo Neri, Eu e o Laurini temos uma visao menos otimista. Na verdade, mostramos que os estudos relacionados 'a captacao da elasticidade do crescimento em relacao 'a pobreza devem ser revistos. (AQUI)

Nenhum comentário: